quarta-feira, 13 de agosto de 2008

OLIMPIADA: PARTICIPAÇÃO É UNIVERSAL

PARTICIPANTE TAMBÉM É UNIVERSAL

Entenda e participe conosco: A Olimpíada é disputada entre as nações e essas nações podem ter atletas de qualquer nação? Isso não fere o próprio juramento do atleta, que neste ano, em Pequim?

Athletes' Oath
"In the name of all the competitors I promise that we shall take part in
these Olympic Games, respecting and abiding by the rules which govern them,
committing ourselves to a sport without doping and without drugs, in the
true spirit of sportsmanship, for the glory of sport and the honour of our
teams."

"Em nome de todos os competidores, eu prometo que vamos participar nestes
Jogos Olímpicos, respeitando e cumprindo com as normas que os regem,
nos comprometendo para um esporte sem doping e sem drogas, no verdadeiro
espírito desportivo, para o glória do esporte e a honra de nossas equipes."

Contribuindo com a COMUNIDADE ESPORTIVA, colocamos a seguinte situação: O participante de Olimpiada era atleta amador. Hoje, sabe-se que pela concorrência e a gana de vencer e até passou a ser de qualquer preço – os países mandam realmente os melhores atletas e esses, muitos são profissionais, porque são aqueles que melhores condições têm, que melhor se apresentam e tem mais possibilidades de subir ao Pódio.

Voltando ao passado. Coubertein, o criador dos Jogos Olímpicos da dita Era Moderna, ensinou uma célebre frase, que popularmente é dita: “ O importante é participar “ e no decorrer dos anos, passou-se a dizer e ver na prática o seguinte: “ O importante é ganhar “ e agora dá-se para dizer que as duas frases são usuais. Explicamos: Foi uma exigência dos tempos, pois o interesse das nações em ter a divulgação dos seus ídolos e o advento da MÍDIA, a Nação realmente teve o interesse de participar e bem e procurou ter como seu representante numa OLIMPIADA, aquilo que de melhor ela tenha.
A partir daí, o panorama mudou. Muitos atletas abdicaram o “ fair play” e passaram a usar o “ doping “ para obterem melhores marcas. E, agora volta a frase de Coubertein e até pode se dizer que também se mescla com a outra frase. Elas se fundem , porque se o atleta pertence a um país – o desportivismo e a ética são que ele defenda o seu país, com amor e lealdade às regras. Mas agora recursos jurídicos, atletas de nacionalidade “X” estão disputando por nações “Y” – desculpem acompanhamos Olimpíadas desde 1992, talvez até tivessem atletas de nacionalidades diferentes, participando – mas agora está descaradamente acontecendo.

Nesta OLIMPIADA DE PEQUIM está patente. Um exemplo, temos brasileiros jogando voleibol pela Geórgia e chineses jogando tênis por diversos países. Por isso dizemos que voltou a afirmação de Coubertein: “ O importante é participar “ e a outra afirmação “O importante é vencer“ também , pois querendo vencer não foi possível ficar na seleção de seu país, passa para outra nação e compete. E se isso é possível, a participação é universal. È desportivismo? É ético?

Isso, no mínimo, é estranho. É certamente assunto para o debate.

Nota do Editor - Amigos só que ao lermos a nova redação do JURAMENTO DO ATLETA – feito na solenidade de abertura em PEQUIM - salvo haja uma tradução errônea, não é dito a frase: Para a glória do desporto e a honra de nossas nações e agora diz: Para a glória do desporto e a honra de nossas equipes.

Portanto está posto, ao debate.

( Jorn. Clery Quinhones de Lima - Reg. Prof. n.4020, profissional de Educação Física -CREF2RS - 0297 - clery@via-rs.net - (55) - 99719391 - Santa Maria - RS )

Um comentário:

GRUHN disse...

Boa noite amigo Clery,

Acho que sobre o tema, há muitas vezes a vontade de vencer, não como ganância, mas sim como o verdadeiro desportivismo. Acho que qualquer atleta joga para vencer, claro, dentro do espírito desportivo, sem dopping e respeitando as regras. Assim muitas vezes atletas que não teriam oportunidade pelo seu país, optam por defenderem outras delegações.

Feito este comentário, abro um novo parentese que deve com muita importancia ser debatido pela comunidade desportiva brasileira: "O importante é participar"(?), hoje em entrevista após a derrota, o judoca brasileiro Eduardo, falou uma das maiores verdades desta Olimpíada: "O importante não é participar, eu vim aqui para vencer", para quem não acompanhou a luta e as reportagens sobre a vida do atleta, procurem conhecer, para ver que este é o verdadeiro espírito que o Brasil precisa. Chega de rir para as câmeras após ficar no último lugar.

Olímpiadas no Brasil? O Trajano da ESPN falou outra verdade hoje, só quando tiver condições para os atletas.

Abraços,
Christhian Gruhn