quarta-feira, 13 de agosto de 2008

OLIMPIADA: quarta medalha do Brasil

CIELO, NOS 100 LIVRES é BRONZE
César Cielo classificou nos últimos e na final chegou em terceiro. É MAIS UM BRONZE PARA O BRASIL, a primeira na natação e agora chega a 4 medalhas de bronze, essa da natação somou com as três do JUDÕ.

OLIMPIADA: PARTICIPAÇÃO É UNIVERSAL

PARTICIPANTE TAMBÉM É UNIVERSAL

Entenda e participe conosco: A Olimpíada é disputada entre as nações e essas nações podem ter atletas de qualquer nação? Isso não fere o próprio juramento do atleta, que neste ano, em Pequim?

Athletes' Oath
"In the name of all the competitors I promise that we shall take part in
these Olympic Games, respecting and abiding by the rules which govern them,
committing ourselves to a sport without doping and without drugs, in the
true spirit of sportsmanship, for the glory of sport and the honour of our
teams."

"Em nome de todos os competidores, eu prometo que vamos participar nestes
Jogos Olímpicos, respeitando e cumprindo com as normas que os regem,
nos comprometendo para um esporte sem doping e sem drogas, no verdadeiro
espírito desportivo, para o glória do esporte e a honra de nossas equipes."

Contribuindo com a COMUNIDADE ESPORTIVA, colocamos a seguinte situação: O participante de Olimpiada era atleta amador. Hoje, sabe-se que pela concorrência e a gana de vencer e até passou a ser de qualquer preço – os países mandam realmente os melhores atletas e esses, muitos são profissionais, porque são aqueles que melhores condições têm, que melhor se apresentam e tem mais possibilidades de subir ao Pódio.

Voltando ao passado. Coubertein, o criador dos Jogos Olímpicos da dita Era Moderna, ensinou uma célebre frase, que popularmente é dita: “ O importante é participar “ e no decorrer dos anos, passou-se a dizer e ver na prática o seguinte: “ O importante é ganhar “ e agora dá-se para dizer que as duas frases são usuais. Explicamos: Foi uma exigência dos tempos, pois o interesse das nações em ter a divulgação dos seus ídolos e o advento da MÍDIA, a Nação realmente teve o interesse de participar e bem e procurou ter como seu representante numa OLIMPIADA, aquilo que de melhor ela tenha.
A partir daí, o panorama mudou. Muitos atletas abdicaram o “ fair play” e passaram a usar o “ doping “ para obterem melhores marcas. E, agora volta a frase de Coubertein e até pode se dizer que também se mescla com a outra frase. Elas se fundem , porque se o atleta pertence a um país – o desportivismo e a ética são que ele defenda o seu país, com amor e lealdade às regras. Mas agora recursos jurídicos, atletas de nacionalidade “X” estão disputando por nações “Y” – desculpem acompanhamos Olimpíadas desde 1992, talvez até tivessem atletas de nacionalidades diferentes, participando – mas agora está descaradamente acontecendo.

Nesta OLIMPIADA DE PEQUIM está patente. Um exemplo, temos brasileiros jogando voleibol pela Geórgia e chineses jogando tênis por diversos países. Por isso dizemos que voltou a afirmação de Coubertein: “ O importante é participar “ e a outra afirmação “O importante é vencer“ também , pois querendo vencer não foi possível ficar na seleção de seu país, passa para outra nação e compete. E se isso é possível, a participação é universal. È desportivismo? É ético?

Isso, no mínimo, é estranho. É certamente assunto para o debate.

Nota do Editor - Amigos só que ao lermos a nova redação do JURAMENTO DO ATLETA – feito na solenidade de abertura em PEQUIM - salvo haja uma tradução errônea, não é dito a frase: Para a glória do desporto e a honra de nossas nações e agora diz: Para a glória do desporto e a honra de nossas equipes.

Portanto está posto, ao debate.

( Jorn. Clery Quinhones de Lima - Reg. Prof. n.4020, profissional de Educação Física -CREF2RS - 0297 - clery@via-rs.net - (55) - 99719391 - Santa Maria - RS )

OLIMPIADA: QUADRO DE MEDALHAS ATÉ O QUARTO DIA

CHINA MANTÉM-SE NA FRENTE

Ranking
Bandeiras Paises Ouro Prata Bronze Total
China China 17 3 5 25
Estados Unidos Estados Unidos 10 8 10 28
Coréia do Sul Coréia do Sul 5 6 1 12
Itália Itália 4 4 2 10
Austrália Austrália 4 2 6 12
Alemanha Alemanha 4 1 2 7
Japão Japão 3 1 3 7
Rússia Rússia 2 7 3 12
Grã-Bretanha Grã-Bretanha 2 2 3 7
10° República Tcheca República Checa 2 0 0 2
11° França França 1 7 2 10
12° Coréia do Norte Coréia do Norte 1 2 4 7
13° Azerbaidjão Azerbaijão 1 2 0 3
14º Holanda Holanda 1 1 2 4
15° Eslováquia Eslováquia 1 1 0 2
16° Romênia Romênia 1 0 2 3
- Suíça Suíça 1 0 2 3
18° Espanha Espanha 1 0 1 2
- Finlândia Finlândia 1 0 1 2
20º Índia Índia 1 0 0 1
- Tailândia Tailândia 1 0 0 1
22° Zimbábue Zimbábue 0 3 0 3
23° Hungria Hungria 0 2 0 2
- Suécia Suécia 0 2 0 2
25° Áustria Áustria 0 1 1 2
- Cazaquistão Cazaquistão 0 1 1 2
- Cuba Cuba 0 1 1 2
28º Colômbia Colômbia 0 1 0 1
- Eslovênia Eslovênia 0 1 0 1
- Mongólia Mongólia 0 1 0 1
- Noruega Noruega 0 1 0 1
- Turquia Turquia 0 1 0 1
- Vietnã Vietnã 0 1 0 1
34º Ucrânia Ucrânia 0 0 4 3
35º Brasil Brasil 0 0 3 3
36º Armênia Armênia 0 0 2 2
- Bielo-Rússia Bielo-Rússia 0 0 2 2
- Indonésia Indonésia 0 0 2 2
- Quirguistão Quirguistão 0 0 2 2
- Taipé Taiwan 0 0 2 2
41º Argélia Argélia 0 0 1 1
- Argentina Argentina 0 0 1 1
- Croácia Croácia 0 0 1 1
- Geórgia Geórgia 0 0 1 1
- México México 0 0 1 1
- Tadjiquistão Tajiquistão 0 0 1 1
- Togo Togo 0 0 1 1
- Uzbequistão Uzbequistão 0 0 1 1

OLIMPIADA: PHELPS, MAIOR MEDALHISTA OLIMPICO

PHELPS, MAIOR MEDALHISTA
DA HISTÓRIA OLIMPICA
Momentos constantes de Phelps, no Tubo d´água, em Pequim(foto Divulgação de QUILISPORT)

O norte-americano, MICHEL PHELPS, em Atenas, fez 6 ouro e promoteu em PEQUIM fazer 8 ouros e se encaminha para isso. Com os cinco ouros, até agora, ele já o HOMEM que tem o maior numero de medalhas em Olimpíadas.

Phelps tornou-se o primeiro atleta olímpico a conquistar 11 medalhas de ouro na carreira ao vencer, com novo recorde mundial, os 200 metros borboleta e o revezamento 4x200 metros livre, no Cubo D''Água, em Pequim.
Com a vitória no revezamento, a quinta seguida nos Jogos de Pequim e a segunda na quarta-feira, Phelps tem agora dois ouros a mais que seus compatriotas Carl Lewis e Mark Spitz, que o corredor finlandês Paavo Nurmi e que a ginasta soviética Larysa Latynina.
Phelps marcou 1min52s03 nos 200m borboleta. O húngaro Laszlo Cseh ficou com a prata e o japonês Takeshi Matsuda com o bronze, enquanto o americano bateu o recorde mundial que ele mesmo havia anotado em Melbourne, no ano passado, por 0s06.
O nadador de Baltimore, ficou atrás de Moss Burmester, da Nova Zelândia, na marca dos 50 metros, mas assumiu o controle a partir da metade da prova para manter vivo seu sonho de superar o recorde de Mark Spitz que ganhou sete ouros em uma única Olimpíada. Em Atenas-2004, Phelps conquistou seis ouros.
Pouco depois, ele fez parte da equipe de revezamento 4x200m livre que arrasou o recorde mundial ao registrar 6min58s56 — o anterior era de 7min03s24, deixando a Rússia e a Austrália bem para trás disputando as medalhas de prata e bronze.