sexta-feira, 24 de junho de 2011

COPA MERCOSUL DE HANDEBOL NESTE SÁBADO

JOGOS EM TRES GINÁSIOS

A XVI COPA MERCOSUL DE HANDEBOL,promovida pela Liga Santa-mariense e Federação Gaúcha de Handebol, com o apoio da Prefeitura Municipal de Santa Maria, com o co-patrocínio do PROESP-SM, Lei de Incentivo ao Esporte, iniciou na última quarta-feira à noite e prossegue até o domingo.

Amanhã, sábado, terá já decisões no mirim, infantil e cadete.


Os jogos estão sendo realizados nos ginásios do Coríntians, Guarany Atlântico e SEST/SENAT. Nestes primeiros dias já se encaminharam os jogos decidir neste sábado, no mirim, infantil e cadete.

No adulto feminino, a equipe de FEEVALE/SANTA ao empatar com a Seleção feminina Uruguaia e vencendo hoje UCS´já é fanalista, aguarda o segundo jogo entre Seleção do Uruguai x UCS para a final.

No adulto masculino lidera a equipe da ULBRA. No cadete feminino a situação está dificil, pois está parelho.

Os jogos prosseguem neste sábado, tanto no Coríntians, como no Guarany e SEST/SENAT.



Equipe do Margarida Lopes também na COPA

UCS participa da COPA e estará novamente em julho, em Santa Maria na Taça Brasil


De jaquetões Giacomini e Serjão, da coordenação da COPA, para aguentar o frio que está sendo anunciado para o final de semana.


Equipe de FEEVALE/SANTA, que estará também em julho em nossa cidade, decide o título no adulto feminino.






II Congresso e Curso de Educação Física

da FIEP no Amapá

Recebemos do colega Valdeci, da FIEP Amapá.
PROGRAMA

Dia 28 de Agosto – CREDENCIAMENTO – Quadra do Colégio Santa Bartolomea Capitanio
• Das 16h00 ás 18h30 – Entrega da Identificação aos Congressistas
ABERTURA – Quadra do Colégio Santa Bartolomea Capitanio
• 19h00 –Composição da mesa de autoridades
1. Hino Nacional
2. Palavra da Irmã Nelizia Pereira Colares – Diretora do Colégio Santa Bartolomea Capitanio
3. Palavra do Sr. José Luiz Amaral Pingarilho - Secretário de Esportes e Lazer
4. Palavra do Prof.Almir Adolfo Gruhn - Presidente Mundial da FIEP
5. Nomeação do Prof. Rui Jorge Moreira de Souza - Delegado Adjunto da Fiep no Amapá
6. Entrega de Placas de Mérito
7. A FIEP no Brasil e no Mundo – Prof. Almir Adolfo Gruhn -Exibição de Vídeo
• 22h30 – Encerramento
Dia 29 de Agosto –CURSOS –Colégio Santa Bartolomea Capitanio
MANHÃ –
• 08h00 às 10h30 – Recreação – Profa. Rosa Costa
• 10h30 às 12h30 –Técnicas de formação de grupos –Prof. Vilson Bagatini .
TARDE
• 15h00 às 17h00 – Recreação – Profa. Rosa Costa
• 17h00 às 19h00 –Técnicas de Formação de grupos –Prof.Vilson Bagatini
NOITE – Auditório da Faculdade FAMA
• 20h00 às 22h00 –Palestras da FIEP –
1. Composição da mesa de autoridades da FIEP
2. Palavra do Presidente da FIEP
3. Palestra do Prof. Dr. Jorge Diaz Otañez
TEMA – A FIEP na América Latina
Dia 30 de agosto –CURSOS – Colégio Santa Bartolomea Capitanio
MANHÃ -
• 08h00 às 09h00 –Palestra do Prof.Dr. Alberto Puga Barbosa
TEMA – Infrações por doping nos esportes e o professor de Educação Física.
• 09h00 às 10h30 – Psicomotricidade – Prof.Vilson Bagatini
• 10h30 às 12h00 –Danças Folclóricas – Profa.Rosa Costa
TARDE –
• 15h00 às 17h00 –Psicomotricidade – Prof.Vilson Bagatini
• 17h00 às 19h00 –Danças Folclóricas – Profa. Rosa Costa
NOITE – Auditório da FAMA
• 20h00 às 21h00–Palestra do Prof. Dr. Jorge Diaz Otañez
TEMA – O Professor de Educação Física e a vocação profissional
• 21h00 às 22h00 – A arte de educar através do movimento – Prof. Vilson Bagatini
Dia 31 de Agosto – CURSOS – Colégio Santa Bartolomea Capitanio
MANHÃ –
• 08h00 às 10h30 –Danças Folclóricas – Profa. Rosa Costa
• 10h30 às 12h30 –Psicomotricidade –Prof.Vilson Bagatini
TARDE –
• 15h00 às 17h00 –Danças Folclóricas – Profa. Rosa Costa
• 17h00 às 19h00 –Psicomotricidade –Prof. Vilson Bagatini
NOITE –
• 19h00 ás 21h30 –Encerramento – Entrega dos Certificados

PALESTRAS E REUNIÃO DO CREF 8 com PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Dia 29 de agosto – ABERTURA - Auditório Franco Amapaense
• 19h30 às 22h00–Composição da mesa de autoridades
1. Palavra do Presidente do CREF 8 – Prof.Jean Carlo Azevedo da Silva
2. Palavra do Conselheiro do CONFEF –Prof.Dr. Alberto Puga Barbosa
3. Início da Reunião – Coordenação do Prof. Jean Carlo Azevedo da Silva
Dia 30 de agosto – Auditório Franco Amapaense
• 19h30 às 22h00 -Composição da mesa de autoridades
1. Palavra do Presidente do CREF 8 – Prof. Jean Carlo Azevedo da Silva
2. Palestra do Prof. Dr.Alberto Puga Barbosa – Conselheiro do CONFEF
TEMA – Regulamentação Profissional da Educação Física

KORFEBOL O JOGO DA PAZ

Atendendo o Marcelo estamos divulgando o seu texto sobre o KORFEBOL.

O Korfebol é um esporte holandês, praticado há mais de um século na Europa. O seu criador foi o professor de Educação Física Nico Broekhuysen, impulsionado pelo incômodo de ver as mulheres afastadas da prática de atividades físicas, até mesmo no contexto escolar. Desta forma, ele buscou inspiração em um jogo que havia conhecido num curso de férias para criar uma nova modalidade esportiva baseada na igualdade e integração entre os gêneros.

O Korfebol conserva até hoje a característica de ser um jogo de integração, que permite a participação de homens e mulheres em igualdade de condições e aceita também a flexibilização de suas regras em contextos específicos, podendo absorver pessoas com condições físicas diversas como crianças, jovens, adultos, idosos, portadores de deficiências e outros, numa mesma equipe.

ORIGEM DO NOME
Em Holandês a palavra Korf (Corfe) significa "Cesta" e bol de (Ball) bola em inglês. Em 1933 foi criada a Federação Internacional de Korfball (IKF), com sede na Holanda. Reconhecido pelo Comitê Olímpico Internacional há 13 anos. Com cerca de 300 mil praticantes em todo o mundo. No Brasil existem cerca de 7 equipes todas treinadas pelo professor Marcelo Soares, que acumula com as funções de técnico, árbitro e de presidente da Confederação Brasileira de Korfball (Korfebol) KFB. Ao longo de 10 anos de trabalho o esporte conseguiu atenção de programas de tv como: Esporte Espetacular, Ana Maria Braga, Jornal Nacional, Jornal Hoje em dia e diversos artigos em jornais, sempre com grande sucesso.

Regras Pedagógicas de Igualdade

As regras do Korfebol motivam a participação de pessoas que não possuem um perfil exatamente “atlético”, que por alguma razão podem ter sido excluídas da prática de atividades físicas, mas que ao se depararem com as possibilidades oferecidas por este esporte, sentem-se capazes de jogar e resgatam a sua auto-estima em relação ao seu potencial.

Nas aulas de Educação Física, ainda encontra-se a barreira do preconceito, não só contra o sexo feminino, mas também contra qualquer pessoa que se apresenta por qualquer motivo como diferente, isso se expressa claramente através do desrespeito às diferenças que resulta em violência.

A prática do Korfebol, não pretende treinar grandes atletas ou supervalorizar as habilidades motoras específicas, mas sim contribuir para a formação integral do indivíduo, proporcionando vivências onde ele possa desenvolver as suas habilidades corporais, num ambiente onde a convivência com os demais possa levá-lo a descoberta das diferenças como algo natural e pertinente a sua vida social.

O Korfebol poda ser um recurso importante na construção e desenvolvimento da Cultura de Paz através da sua prática colaborativa, de não-violência e de inclusão social. Através de sua prática o participante passa a ter a possibilidade de vivenciar o outro como parceiro, na superação da discriminação e do preconceito. Além disso, o seu caráter colaborativo desconstrói o individualismo mostrando que não é apenas a competição que importa, apresentando ao participante uma nova perspectiva em relação à coletividade. O fato de em sua regra não poder existir contato físico para a retirada da bola desenvolve não só a possibilidade como o estímulo à prática da não-violência . Essa construção pode estender-se ao âmbito da vida cotidiana do sujeito, trazendo transformações no seu modo de se relacionar consigo mesmo, com a família e com a comunidade.

INTEGRAÇÃO, INCLUSÃO E MAIOR PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS
O Korfebol se destaca também por estar ao alcance de todos. Obesos, pessoas portadoras de necessidades especiais, excluídos das demais modalidades esportivas por não possuírem habilidade motora específica, coordenação motora, uma vez que o os deslocamentos não exigem grande velocidade e não há disputa de força, ou seja, o Korfebol é um jogo recreativo, cooperativo e motivador. Uma das grandes possibilidades que acontecem é que o índice de atestados médicos solicitando a exclusão de alunos nas aulas de educação física diminui gradativamente, por que as crianças se sentem incluídas na equipe. "No Korfebol não há testes... todos são bem vindos, o jogo é que se adapta a realidade do praticante... existem regras pedagógicas para alcançar esse objetivo diz Soares. Além disso, o equipamento - composto basicamente por duas cestas e uma bola - é simples, se adapta a qualquer espaço.. ."Quando chove, realizamos a aula dentro da sala e pode-se usar até um balde sem fundo e uma bolinha de jornal ou de meia, Korfebol é uma filosofia que transcende a quadra.

Considerações Finais
O objetivo fundamental da aplicação do Korfebol no contexto escolar é promover uma atividade educativa comum, capaz de integrar os sexos masculino e feminino. Respeitando, além das especificidades biológicas, o direito de todos os sujeitos participarem em condições de igualdade, numa disputa cordial e não agressiva. Não permitindo o contato físico e possuindo regras específicas para que isto não ocorra.

O Korfebol oferece oportunidades iguais em cooperação, desenvolvimento físico, técnico e tático, que se manifesta harmônica e funcionalmente, o que varia de pessoa para pessoa, criando uma concepção de igualdade de condições, valorizando o espírito de equipe e formando os indivíduos como um todo.

Desenvolve principalmente os aspectos afetivo, cognitivo e psicomotor.

É um jogo de estratégia e cooperação que pode ser praticado em ambiente escolar ou como esporte de alto rendimento.

Motiva a prática de outras modalidades esportivas de quadra.

Desenvolve no aluno maior espírito de equipe e coletividade.

O Korfebol funciona como “ferramenta pedagógica” ao professor de Educação Física, principalmente na questão do Conflito entre os gêneros nas aulas de educação física.


XVI COPA MERCOSUL DE HANDEBOL EM SANTA MARIA - RS

SELEÇÃO URUGUAIA TREINA NA COPA

PARA DISPUTA SELETIVA DE MUNDIAL


A Copa Mercosul, o próprio nome diz, ela normalmente reunia brasilerios, uruguaios e argentinos, no entanto nos últimos anos tem se mantido com brasileiros e uruguaios.


Neste ano participa, servindo de treinamentos, a Seleção Uruguaia Feminino que disputará seletiva para o Mundial Feminino que será realizado no Brasil em Dezembro e o Panamericano de Guadalajara no México, em outubro.


Por outro lado são atrações as equipes adulto feminino da FEEVALE/SANTA e UCS, que estarão disputando em Santa Maria, no próximo mês, a COPA BRASIL.




COPA COM BONS JOGOS


Os Jogos iniciaram na noite de quarta-feira e prosseguem até domingo, quando teremos o encerramento com a atração o jogo da Seleção Gaúcha x Seleção Uruguaia, no naipe feminino.


A disputada da categoria adulto feminino será jogo a jogo. Até agora a Seleção Uruguaia empatou com a UCS 18x18 e hoje pela manhã empatou em 20x20 com Feevale Santa e para testar forças, às 17h de hoje, no SEST/SENAT jogam UCs x Feevale Santa.


No masculino, o professor Jorge Fernandes orienta várias equipes, no masculino, adulto , cadete e infantil.

jogos adulto, no SEST/SENAT; infantis, no Coríntians e os do cadete, no Guarany Atlântico.


Técnicos uruguaios falam com suas atletas
Mesa de controle dos jogos, com a logomarca da FGHb

Seleção Uruguaia Feminina que disputar PAN do MÉXICO



Meninada de Capão avançam a defesa e partem para o contra-ataque



Equipe cadete de CAPÃO, técnico santa-mariense Cheirinho (Gerson).