quarta-feira, 26 de outubro de 2011

PAN 2011 EM GUADALAJARA

MAUREN CONFIRMA OURO NO SALTO


BRASIL MANTÉM EM SEGUNDO NO
QUADRO GERAL DE MEDALHAS

Faltando 5 dias para encerrar o PAN, será dia 30; o BRASIL mantém em segundo lugar no quadro geral de medalhas ( VIDE QUADRO) e deve se manter, o que será já um avanço, no Brasil, no último PAN 2007, no Rio, ficamos em terceiro lugar, atrás de CUBA, com 7 medalhas de ouro a mais.


Luciano poderoso leva ouro no Judô
NOTA OFICIAL
26.10.2011 :: 21h01



Depois da demissão do Ministro ORLANDO SILVA, o COB anunciou de Guadalajara uma nota oficial. Quem leu neste Blog a Coluna do J.CRUZ percebeu que o colunista destacou que as Entidades do Esporte nunca foram solidários com o ORLANDO.
O Comitê Olímpico Brasileiro e o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016 agradecem o trabalho realizado pelo ministro do Esporte Orlando Silva, que foi um parceiro importante em projetos fundamentais para o desenvolvimento dos esportes olímpicos no Brasil, como a aprovação da Lei de Incentivo ao Esporte, o Bolsa Atleta, os Jogos Pan-americanos Rio 2007 e a candidatura vitoriosa à sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016. O COB aguarda a nomeação do novo ministro do Esporte para propor uma reunião de trabalho e dar prosseguimento à parceria em prol do esporte em nosso país.

Atenciosamente,

Comitê Olímpico Brasileiro
Comitê Organizador Rio 2016

Judô encerra primeiro dia

com ouro, prata e bronze
O judô confirmou mais uma vez sua fama grande arrebatador de medalhas para o Brasil em Jogos Pan-americanos. Nas finais realizadas na tarde desta quarta-feira, dia 26, no Ginásio CODE II, Luciano Corrêa (- 100 kg) derrotou o cubano Oredy Despaigne no golden score e conquistou a medalha de ouro. Já Rafael Silva (+ 100 kg) ficou com a prata ao ser derrotado pelo também cubano Oscar Bryson. A judoca Maria Suelen Altheman derrotou a norte-americana Molly O'Rourke por ippon e ganhou a medalha e bronze.

Luciano Corrêa já havia enfrentado e perdido para Despaigne três vezes até hoje: quartas-de-final da Copa do Mundo de Hamburgo (2007), semifinal do Rio 2007 e final da Copa de Budapeste (2009). Por isso mesmo, a vitória sobre o algoz por punição - cubano fugiu do combate no golden score após o empate no tempo regulamentar - foi muito festejada por Luciano após o combate decisivo.

"Esta medalha de ouro é muito especial para mim e ainda mais saborosa por ter sido em cima do Despaigne, que me tirou o ouro nos Jogos Pan-americanos Rio 2007. A luta foi igual e decidida no final. Sabia que para vencer teria que querer muito mais do que ele no tatame, pois os cubanos são muito fortes", analisou Luciano, que este ano já lutou 31 vezes, com 23 vitórias e nove derrotas. Uma boa forma de encerrar 2011. "Eu fiquei seis meses sem poder treinar no primeiro semestre por causa de uma lesão no ombro, foi um ano difícil", lembrou Luciano, que dedicou o ouro para a família, o técnico e a namorada, a nadadora Joanna Maranhão.

Já para Rafael Silva, derrotado pelo cubano Oscar Bryson por um wazari, lamentou o desempenho na última luta. "Estou insatisfeito por ter perdido o ouro. A luta foi decidida no detalhe. Ele anulou o meu jogo e usou toda sua experiência. Senti muitas dores no braço lesionado e também a parte cardiorrespiratória por causa da altitude", lamentou Rafael Silva, que só havia lutado uma única vez contra Oscar Bryson: foi no Campeonato Pan-americano realizado este ano no México e o judoca cubano também levou a melhor sobre o brasileiro.

Já Maria Suelen Altheman precisou apenas de 34s para derrotar a norte-americana Molly O'Rourke com um lindo ippon e ficar com a medalha de bronze. Ela comentou sua performance no primeiro Pan-americano de sua carreira: "Fiquei muito triste por ter perdido a luta na semifinal para a porto-riquenha (Melissa Mojica), o que tirou a possibilidade de brigar pelo ouro. Mas esta derrota acabou me fortalecendo para a disputa do bronze", confessou Suelen.

Time masculino de basquete vence

Uruguai por 81 a 70 na estreia

A seleção masculina de basquete estreou com vitória sobre o Uruguai dos Jogos Pan-americanos Guadalajara 2011, pela primeira rodada do grupo B, que conta também com Estados Unidos e República Dominicana. Com 15 pontos do cestinha Guilherme Giovannoni, a equipe venceu por 80 a 71 (36 a 35 no primeiro tempo). O time volta à quadra nesta quinta-feira, dia 27, para enfrentar os norte-americanos às 20h (23h de Brasília).

QUADRO DE MEDALHAS

Pos País Ouro Prata Bronze Total
1 Estados Unidos 70 66 51 187
2 Brasil 33 21 37 91
3 México 22 25 39 86
4 Canadá 23 26 34 83
5 Cuba 30 20 28 78
6 Colômbia 18 16 28 62
7 Venezuela 9 22 24 55
8 Argentina 18 8 26 52
9 Chile 2 14 14 30
10 República Dominicana 5 3 14 22





AGORA É QUENTE CAI O MINISTRO ORLANDO

COLUNA DO J CRUZ CONFIRMA

Vem aí o terceiro ministro do Esporte. Quem?
UM DOS MAIS COMPETENTES JORNALISTAS ESPORTIVOS DO BRASIL, que conhece a POLÍTICA ESPORTIVA e desmando do país, escreve. Vale a pena ler.

Orlando Silva caiu. Ele enfrentou a crise sem apoio da comunidade esportiva

Houve quem esperneasse quando o PcdoB ganhou o Ministério do Esporte, no primeiro mandato do governo Lula da Silva, em 2003. A então deputada comunista,Vanessa Grazziotin, agora senadora pelo Amazonas, afirmou que “esporte é uma coisa menor para o tamanho do PCdoB”.

Mal sabia a parlamentar que, anos depois, o partido estaria envolvido com a preparação dos dois maiores megaeventos do esporte mundial, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, e às voltas com orçamentos e projetos espetaculares. Mas, também, mergulhado numa crise partidária e governamental que levou a presidente Dilma Rousseff a continuar a faxina na Esplanada dos Minitérios: Orlando Silva é o quinto ministro demitido por acusaões graves de corrupção. E o primeiro da equipe a ser investigado pelo STF.

Missão

Até hoje, nove anos de governo do PT, ainda não se sabe a que veio o Ministério do Esporte. Tornou-se eficiente repassador de verbas, mas sem objetivos definidos e sem uma proposta de trabalho integrado entre os beneficiados. Nada disso. E o Conselho Nacional de Esporte, o principal órgão de apoio ao gabinete ministerial, tornou-se um agrupamento de concordância aos atos do ministro, em vez de ser o espaço de discussão de políticas para o setor.

O governo Lula da Silva foi farto na distribuição de dinheiro para o esporte, através da Lei de Incentivo, Bolsa Atleta, Timemania, patrocínio das estatais – BB, Caixa, ECT, Petrobras, Infraero, Casa da Moeda, Eletrobras e BNDES. Politicamente, foram três edições da Conferência Nacional do Esporte. Porém, com decisões ignoradas pela cúpúla ministerial.

Dando apoio a essa estrutura de governo, o Brasil esportivo tem todas as suas instituições funcionando: comitês, confederações, federações, clubes. E todas elas contempladas com verbas públicas. Na Câmara e no Senado, comissões específicas e uma Frente Parlamentar do Esporte ajudam a aprovar robustos orçamentos anuais para o Esport. Porém, de fraquíssimas execuções. Em 2010, por exemplo, o Ministério do Esporte gastou apenas 39% do R$1,8 bilhão disponível.

E isso ocorre porque falta-nos o fundamental: metas, prioridades e planejamento. Não temos isso. Nunca tivemos. O Ministério tornou-se, antes, um abrigo de correligionários desocupados e inexperientes, em detrimento do concurso de técnicos para fortalecer o setor e dar rumo ao esporte nacional. E muitos desses amigos da casa aproveitaram seus cargos como trampolins eleitorais, apoiados por projetos sociais para promoções em suas regiões de interesse. Na prática, o PcdoB comporta-se como os demais partidos da base aliada, em que o PMDB, é o mestre-salas na ocuapação de espaços ministeriais e autárquicos, para projetar seus correligionários e fortalecer a sigla.

O início

Agnelo Queiroz foi o primeiro ministro da pasta. Assumiu prestigiadíssimo. Afinal, como deputado federal, fora o autor formal – porque o autor intelectual fora outro – da Lei 10.264/2001, que destina 2% das loterias federais para o esporte, conhecida por “Lei Agnelo Piva”. E dinheiro, sabe-se bem, aproximam a todos, enquanto “amigos” ...

Porém, Agnelo foi um fracasso. Enredou-se com benefícios do COB, no Pan de Santo Domingo, e ainda está envolvido num proceso de liberação de R$ 25 milhões, desde os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro.

Com Agnelo, assumiu Orlando Silva, um ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), que tinha duas missões: aproximar-se do gabinete ministerial, que consguiu, ao se tornar Secretário Executivo, até chegar ao posto máximo, e se livrar dos “companheiros” petistas. A longo prazo, fez isso.

Apresentado como “o maior programa social do mundo”, o Segundo Tempo foi criado por Agnelo. Era a cópia de um projeto chamado “Esporte na Escola”, no governo Sarney. Porém, o Segundo Tempo tornou-se o ponto da discórdia e motivo principal da demissão do ministro Orlando Silva. Em 2005 surgiram as primeiras denúncias. A partir daí, vieram mais falcatruas.

Foi assim que o então assessor Júlio Filgueiras apresentou o policial João Dias a Agnelo. Tornaram-se amigo e Dias foi contemplado com cerca de R$ 3,5 milhões para projetos do Segundo Tempo. O resultado dessa parceria é uma investigação policial e foco da demissão de Orlando. Em decorrência, Agnelo está na linha de tiro, suspeito de ter recebido propinas.

Toda essa crise ocorre num momento de ampla exposição do país na mídia internacional. É péssimo, mas fica claro que a presidente Dilma está disposta a combater a corrupção governamental, herdada de anos e anos de república. E é muito bom ver tanta determinação.

Finalmente:

Orlando Silva caiu. Nem tanto pela denúncia vazia, até aqui, de um policial. Mais pela fragilidade de seu gabinete, formada por inexperientes da UNE, acusados de irregularidades constatadas pelo Tribunal de Contas da União e Controladoria Geral.

Talvez por isso, Orlando tenha enfrentado uma semana de tiroteio sem receber apoio da comunidade esportiva: Comitês Olímpico e Paraolípico, confederações, federações, técnicos, atletas. Nada! Ontem, foi a vez dos parlamentares da base aliada abandonarem Orlando Silva. Seu debate sobre a Lei Geral da Copa, na Câmara, foi um desastre. Torpedeado pela oposição e frágil na defesa, ele já apresentava o perfil de que estava no fim.

E quem será o terceiro ministro do Esporte? Acredito que Aldo Rebelo. É nome respeitadíssimo no PcdoB e de confiança da presidente. Tem diálogo com a oposição e poderá representar o governo no entendimento com a comunidade internacional, diante dos compromissos que Copa e Olimpíada exigem.

Porém, independentemente do nome que for indicado para o ministério, será preciso uma ação enorme para limpar a máquina, infiltrada por interesses particulares e danosos ao bem público.


--

ORLANDO DEVE DEIXAR HOJE O MINISTÉRIO DO ESPORTE

INFORMAÇÕES APONTAM

ORLANDO FORA DO ESPORTE


A situação do Ministro Orlando Silva está insustentável, as notícias informam, recebemos agora pela INTERNET, da cevelista, Fernanda Monturil.Eis:


PCdoB vai apresentar dois nomes para substituir Orlando Silva no Esporte
Plantão Publicada em 26/10/2011 às 13h54m


Gerson Camarotti (gcamarotti@bsb.oglobo.com.br)

BRASÍLIA - Setores do PCdoB defendem que o partido apresente pelo menos dois
nomes à presidente Dilma Rousseff, para que ela tenha liberdade na escolha
do substituto do ministro do Esporte, Orlando Silva. Além do deputado Aldo
Rebelo (SP), o nome que passa a ser citado por integrantes da legenda é a
deputada e ex-prefeita de Olinda Luciana Santos (PE). Neste momento, a
bancada do PCdoB está reunida na liderança do partido. O cuidado da bancada
é para que não haja nenhuma imposição e para que seja um nome do agrado da
presidente Dilma Roussseff.
Orlando Silva vai entregar carta de demissão na tarde desta quarta-feira em
encontro com a presidente. A situação dele se agravou após a abertura,
quarta-feira, do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar
denúncias de irregularidades na pasta.

PAN 2011 EM GUADALAJARA



ARATACA NA RÁDIO GAÚCHA

Nosso amigo, ARATACA, coordenador de atletismo da SOGIPA , foi um dos técnicos do BRASIL na Olimpíada de PEQUIM, mandou-nos um e-mail dizendo que hoje pela manhã, esteve na Rádio Gaúcha falando sobre o PAN 2011. Na foto vimos ele (fazendo positivo), Professor Edgar, o judoca João DERLY, Lauro Quadros.

de

PAN 2011 EM GUADALAJARA




HOJE É DIA DE NAIANE

Santa-mariense compete hoje ao meio-dia, no K4, isto é juntamente com mais 3 brasileiras, na canoagem. (deve ter imagens na TV Record)

Amanhã será a vez, dos irmãos BITENCOURT - Givago e Gilvan, também na canoagem

Também iniciando o judô e teremos a santa-mariense MARIA DE LOURDES PORTELLA, no 70kg.

PAN 2011 EM GUADALAJARA

QUADRO DE MEDALHAS NO
DÉCIMO TERCEIRO DIA

Fazendo uma análise, faltando praticamente 4 dias para o término do PAN DE GUADALAJARA, vimos o BRASIL na manutenção de SEGUNDO lugar. Estados Unidos indiscutivelmente será o detentor, como tem acontecido na competição.

Na briga estão realmente o BRASIL, posição ainda em vantagem, mas CUBA crescendo e tendo CANADÁ e o próprio MEXICO, sede.

Mas com a tendência de mais ouros na ginástica, nos coletivos, no atletismo, judô e mais..., Brasil poderá consolidar o segundo lugar.

Eis o quadro atual, nesta manhã do dia 26 de outubro, lembrando que o PAN acaba, no dia 30, mas praticamente o quadro de medalhas no dia 29. EIS:
...Ranking pelo total de medalhasRanking por medalhas de ouro Países Ouro Prata Bronze Total
1 Estados Unidos 66 61 49 176
2 BRASIL 29 20 32 81
3 Cuba 25 17 21 63
4 Canadá 21 25 29 75
5 México 20 20 28 68
6 Argentina 15 8 20 43
7 Colômbia 11 15 25 51
8 Venezuela 9 20 21 50
9 República Dominicana 5 2 12 19
10 Guatemala 5 2 3 10
11 Porto Rico 4 5 2 11


NOTA DO EDITOR

Insisto em dizer que paralelamente a briga do BRASIL pela segunda posição neste PAN, tem também a briga do BRASIL pela passagem na posição quatro do QUADRO GERAL DOS PANS, da Argentina, cuja diferença, no momento, está em apenas 3 medalhas de ouro ( no início da COMPETIÇÃO a diferença era de 17 medalhas, agora o BRASIL tem 29 e a Argentina tem 15, são 14 medalhas das 17 medalhas, pró BRASIL.

(CLERY - Editor)