domingo, 30 de outubro de 2011

PAN DE GUADALAJARA AVALIADO PELO COB



Guadalajara 2011
Time Brasil alcança meta de classificação para Londres 2012 e consolida patamar de resultados alcançados no Rio 2007
30.10.2011 :: 16h52

O Time Brasil alcançou nos Jogos Pan-americanos Guadalajara 2011 a meta estipulada pelo Comitê Olímpico Brasileiro para o evento. Empenhado em classificar atletas para Londres 2012, o Brasil garantiu 24 das 93 vagas disputadas, o que representa 26% do total. O país obteve ainda a sua melhor participação em edições de Pan-americanos fora de casa, ao conquistar 141 medalhas, sendo 48 de ouro, 35 de prata e 58 de bronze. Esse resultado supera o desempenho em Santo Domingo 2003, quando o Brasil somou 123 medalhas (29 de ouro, 40 de prata e 54 de bronze). Nos Jogos Rio 2007, foram 157 medalhas, sendo 52 de ouro, 40 de prata e 65 de bronze. Além disso, o 2º. lugar no quadro total de medalhas e o 3º. lugar pelo número de medalhas de ouro consolidam o Brasil entre os três melhores países do esporte nas Américas.

"Este resultado em Guadalajara é importantíssimo por vários aspectos e demonstra a evolução permanente e consolidada do esporte olímpico brasileiro. Já estamos colhendo os frutos da transformação iniciada com os Jogos Rio 2007, que seguem o nosso planejamento conjunto com as Confederações Brasileiras Dirigentes de Esportes Olímpicos rumo aos Jogos Rio 2016", afirmou o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, que viajou de Guadalajara, na última quinta-feira, para Lausanne, na Suíça, onde participa de reuniões com o Comitê Olímpico Internacional e de um seminário sobre candidaturas olímpicas.

O presidente do COB destacou também que o desempenho do Time Brasil em Guadalajara é ainda mais relevante por ter sido alcançado num cenário de disputa mais acirrada em todas as modalidades. "As conquistas refletem os investimentos crescentes do COB e das Confederações para elevar a qualidade da estrutura de treinamento, de suporte e de competição oferecida aos atletas, entre os quais podemos citar a contratação de técnicos estrangeiros, a aquisição de equipamentos de nível olímpico e a formação de equipes multidisciplinares da ciência do esporte", afirmou Nuzman. "Parabenizo as Confederações Brasileiras, seus atletas e técnicos, e toda a Missão do COB pelos resultados e pelo trabalho realizado", completou.

A participação do Time Brasil no Pan 2011 foi detalhada neste domingo, dia 30, pelo superintendente executivo de esportes do COB, Marcus Vinícius Freire, e pelo chefe da Missão Brasileira, Bernard Rajzman, em apresentação no Centro de Imprensa de Guadalajara. "Nossa prioridade aqui era conquistar vagas para os Jogos Olímpicos e, com os resultados obtidos, o Time Brasil já conta com um total de 104 atletas de 13 esportes garantidos em Londres 2012. O desafio agora é classificar mais atletas nos torneios qualificatórios que virão pela frente", ressaltou Freire. As 24 vagas conquistadas pelo Brasil em Guadalajara foram nas seguintes modalidades: pentatlo moderno (01), hipismo CCE (05), handebol feminino (14), triatlo (01), canoagem (02) e saltos ornamentais (01), vaga esta que o Brasil ainda luta para confirmar junto à Federação Internacional de Natação. "A vaga é do país e, como o México, - ouro e prata no trampolim 3m - já estava classificado para Londres, entendemos que o bronze do Cesar Castro vale a vaga para os Jogos Olímpicos", explicou Marcus Vinícius.

Já Bernard Rajzman destacou a estrutura montada pelo COB no Pan de 2011. "O Time Brasil está de parabéns. Fomos uma delegação unida, harmoniosa e, sobretudo, vitoriosa. Oferecemos aos nossos atletas e comissões técnicas a melhor estrutura entre todas as delegações na Vila Pan-americana", afirmou o Chefe da Missão, ressaltando que as equipes que ficaram nas outras sub-sedes dos Jogos, Guzman e Puerto Vallarta, também contaram com excelente suporte. "Estamos no caminho certo, ao investir cada vez mais na qualidade da estrutura de treinamento e de competição para os atletas. Isso faz toda a diferença e se traduz em melhores resultados e medalhas", reforçou Bernard.

O Time Brasil reuniu no Pan 2011 um total de 804 integrantes, sendo 515 atletas (280 no masculino e 235 no feminino). Foram 199 membros de comissões técnicas e somente a área médica contou com 39 profissionais de diversas especialidades. O COB inovou em Guadalajara ao contar na Missão com um time de Ciência do Esporte - 10 profissionais de bioquímica, fisiologia, vídeo análise e nutrição, entre outros. "Nossa meteorologista teve papel chave em Puerto Vallarta. Suas orientações contribuíram para a conquista de sete medalhas pela vela", destacou Marcus Vinicius, lembrando ainda o moderno recurso de telemedicina utilizado pela equipe médica da Missão no atendimento da atleta Jaqueline, do vôlei, acidentada após choque com a companheira Fabi, durante um jogo, em 15 de outubro.

"Realizamos seis viagens precursoras a Guadalajara, nos últimos dois anos, o que nos possibilitou definir com antecedência e qualidade a estrutura para o Time Brasil", explicou o superintendente do COB, A aclimatação dos atletas foi realizada em cinco cidades diferentes: San Luiz Potosí (Clube Esportivo La Loma), Cidade do México, Guzman, Puerto Vallarta e Colorado Springs (EUA). "A aclimatação na altitude foi fundamental para os excelentes resultados alcançados pela natação, atletismo e triatlo", ressaltou.

O valor investido pelo COB na Missão Brasileira para Guadalajara 2011 foi de cerca de R$ 8,5 milhões - montante que considera despesas de logística e operação de toda a Missão e as viagens precursoras.

Na melhor participação em Jogos Pan-americanos fora de casa, 277 dos 515 atletas do Time Brasil conquistaram medalhas, o que representa percentual de 54% do total de atletas.

Nos esportes coletivos, o aproveitamento em Guadalajara foi de 73% com a conquista de medalhas no handebol feminino e masculino, vôlei feminino e masculino, futebol feminino e pólo aquático feminino e masculino. Três esportes mantiveram o número de medalhas do Rio 2007: natação, atletismo e judô . Já cinco modalidades superaram o Rio 2007: tiro esportivo, ginástica artística masculina, ginástica rítmica, levantamento de peso e triatlo.. O COB fará uma avaliacao individual com cada Confederação sobre os resultados obtidos por cada modalidade em Guadalajara.

"O desempenho do Time Brasil foi excelente. Hoje, a disputa entre o segundo e o quinto lugares na classificação geral dos Jogos Pan-americanos está cada vez mais acirrada, entre Brasil, Cuba, Canadá e México. A distribuição das medalhas está mais pulverizada", observou o superintendente de esportes do COB, ao ressaltar que a ascensão de Argentina, Colômbia e Venezuela tornará esse quadro ainda mais competitivo.

Outro destaque importante foi a atuação dos integrantes do Time Rio, projeto idealizado pela Prefeitura do Rio, que apoia financeiramente 13 atletas de oito modalidades, visando à conquista de medalhas em Londres 2012. Dos nove competidores do Time Rio em Guadalajara, oito conquistaram medalhas: Kaio Márcio (natação), Rosângela Santos (atletismo), Julio Almeida (tiro esportivo), Diego Hypólito (ginástica), Ricardo Winicki (vela), Cesar Castro (saltos ornamentais), Rafalea Silva (judô) e Nivalter Santos (canoagem). "Esses resultados demonstram o sucesso desse projeto, e vamos trabalhar para que seja replicado em outras cidades do país", destacou Marcus Vinicius.

Confira outros fatos marcantes

do Time Brasil em Guadalajara:

Atletismo
10 medalhas de ouro, uma a mais do que no Rio 2007. Mesmo número no total: 23

Maratona feminina - medalha de ouro e recorde pan-americano

Salto em distância - Maurren Maggi - melhor marca pessoal do ano (6,94m) e a conquista do tricampeonato pan-americano

Heptatlo - Lucimara Silvestre - estabelecido o novo recorde sul-americano (6.133 pontos)

100m feminino - Rosângela Santos - o Brasil não vencia essa prova desde 83

Salto com vara - A marca de Fabiana Murer (4,70m) foi de nível mundial

200m feminino - Ana Claudia Lemos foi a primeira atleta do país a vencer a prova

Revezamentos 4x100m masculino e feminino - os tempos obtidos pelo Brasil (32s85 mas e 38s18 fem) colocariam o país nas finais olímpicas

Badminton
Medalha inédita no individual - Bronze de Daniel Paiola, após temporada de sete meses na Malásia custeada pelo COB.

Canoagem
Medalha de prata e conquista da vaga olímpica no C2 1000m

Esgrima
Bronze por equipes no florete - Desde 1975 o Brasil não conquistava uma medalha por equipe nos Jogos Pan-americanos.

Ginástica Artística
Primeira medalha de ouro por equipe masculina
Diego Hypólito - ouro no salto e no solo. Bicampeão nas duas provas

Ginástica rítmica
Conjunto - três ouros em três provas. Tetracampeonato pan-americano no conjunto geral com uma equipe renovada.
Individual - 4 medalhas (1 prata e 3 bronzes) para Angélica Kvieczynski
Total de 7 medalhas (3 ouros, uma prata e 3 bronzes) - Desempenho melhor do que no Rio 2007

Ginástica trampolim
Medalha inédita no individual masculino - Prata de Rafael Andrade

Handebol feminino
Medalha de ouro, tetracampeonato e a conquista da vaga olímpica

Hipismo CCE
Medalha de bronze e a conquista da vaga olímpica

Lutas associadas
Conquista de duas medalhas femininas - Aline Ferreira (prata) e Joyce Silva (bronze)

Judô
6 medalhas de ouro - Melhor participação da modalidade na história. O recorde anterior era de 5 ouros. Todos no masculino. 13 medalhas no total. Só não conquistou medalha em uma categoria.

Levantamento de Peso
Ouro inédito e recorde pan-americano com Fernando Reis Saraiva

Karatê
Lucélia Ribeiro - tetracampeã - mulher brasileira com mais ouros na história do Pan

Natação
24 medalhas e 16 recordes pan-americanos
Thiago Pereira - 12 ouros - brasileiro com mais medalhas de ouro na história do Pan
Cesar Cielo - 2º melhor tempo do ano nos 100m livre (48s89)
Natação feminina - surgimento de uma nova velocista: Graciele Hermann, medalha de prata nos 50m livre)

Patinação Artística
Tricampeonato de Marcel Sturmer

Pentatlo Moderno
Yane Marques conquistou a medalha de prata e a vaga olímpica

Remo
Fabiana Beltrame - prata no single skiff peso leve - 1ª medalha feminina na história do Pan

Tênis de mesa
Hugo Hoyama conquistou sua 10ª medalha de ouro na história do Pan

Tiro Esportivo
Julio Almeida - primeiro atleta a conquistar duas medalhas nos mesmos Jogos
Ana Luiza Ferrão Mello - primeira medalha feminina de ouro do tiro esportivo na história do Pan e a obtenção do recorde pan-americano
Melhor desempenho do que no Rio 2007

Triatlo
Medalha de ouro de Reinaldo Colucci e a conquista da vaga olímpica

Vela
7 medalhas em 9 classes, sendo 5 de ouros - Melhor desempenho do que no Rio 2007
Destaque para Patrícia Freitas (RS:X) e Sunfish, que conquistaram a medalha de ouro antes da Medal Race

Voleibol
100% de aproveitamento. Ouro no masculino e no feminino

Vôlei de praia
100% de aproveitamento. Ouro no masculino e no feminino

DO COB

PAN 2011 EM GUADALAJARA

Solonei nosso ouro na maratona, no último dia (foto TERRA)

MARATONA DÁ OURO

É A ULTIMA MEDALHA DO BRASIL

Como havia acontecido no início da competição, o Brasil largou com ouro, com ROSANGELA na Maratona feminina, o nosso SOLONEI fecha as medalhas brasileiras, com ouro na MARATONA. ESTADOS UNIDOS ficou em primeiro, CUBA em segundo, BRASIL em terceiro, MÉXICO em quarto e CANADÁ em quinto.

Veja como ficou o quadro.


Solonei Silva fecha participação brasileira com ouro na maratona

O atletismo fechou com medalha de ouro sua participação nos Jogos Pan-americanos Guadalajara 2011. No último dia de disputas na cidade mexicana, neste domingo, dia 30, Solonei Silva venceu a maratona masculina em 2h16m37s, garantindo o 48º ouro do país na competição. O outro brasileiro na prova, Jean Silva, chegou em nono, com 2h22m41.

A Colômbia completou o pódio da maratona. Diego Alberto Colorado ficou com a medalha de prata, com 2h17m13s, e Juan Carlos Cardona, com o bronze, com 2h18m20s.

Com o resultado alcançado por Solonei, o Brasil manteve a hegemonia na maratona masculina, com quatro títulos consecutivos. Vanderlei Cordeiro de Lima venceu em Winnipeg 1999 e Santo Domingo 2003, enquanto Franck Caldeira cruzou em primeiro no Rio 2007. Em Guadalajara, a equipe brasileira já havia conseguido o ouro na maratona feminina, com Adriana da Silva.

Foi também a melhor participação do atletismo brasileiro em Jogos Pan-americanos. No total, o país conquistou 10 ouros, seis pratas e sete bronzes, superando o Rio 2007, quando havia conseguido nove, cinco e nove.


QUADRO ATUAL



Estados Unidos 92 79 64 235
2 [CUB] Cuba 58 35 43 136
3 [BRA] Brasil 48 35 58 141
4 [MEX] México 42 40 50 132
5 [CAN] Canadá 29 40 49 118
6 [COL] Colômbia 24 25 35 84
7 [ARG] Argentina 21 18 35 74
8 [VEN] Venezuela 12 27 33 72
9 [DOM] República Dominicana 7 9 17 33
10 [ECU] Equador 7 8 9 24
11 [GUA] Guatemala 7 3 5 15
12 [PUR] Porto Rico 5 8 8 21
13 [CHI] Chile 2 17 24 43
14 [JAM] Jamaica 1 5 1 7
15 [BAH] Bahamas 1 1 1 3
16 [CAY] Ilhas Cayman 1 1 1 3
17 [AHO] Antilhas Holandesas 1 0 1 2
18 [CRC] Costa Rica 1 0 0 1
19 [URU] Uruguai 0 3 2 5
20 [PER] Peru 0 2 5 7
21 [TRI] Trinidad e Tobago 0 2 2 4
22 [SKN] São Cristóvão e Neves 0 2 0 2
23 [ESA] El Salvador 0 1 0 1
24 [BAR] Barbados 0 0 2 2
25 [BOL] Bolívia 0 0 2 2
26 [PAR] Paraguai 0 0 2 2
27 [DMA] Dominica 0 0 1 1
28 [GUY] Guiana 0 0 1 1
29 [PAN] Panamá 0 0 1 1


Todos os demais países não fizeram medalhas
30 [ANT] Antígua e Barbuda 0 0 0 0
31 [ARU] Aruba 0 0 0 0
32 [BIZ] Belize 0 0 0 0
33 [BER] Bermudas 0 0 0 0
34 [GRN] Granada 0 0 0 0
35 [HAI] Haiti 0 0 0 0
36 [HON] Honduras 0 0 0 0
37 [ISV] Ilhas Virgens 0 0 0 0
38 [IVB] Ilhas Virgens Britânicas 0 0 0 0
39 [NCA] Nicarágua 0 0 0 0
40 [LCA] Santa Lúcia 0 0 0 0
41 [SUR] Suriname 0 0 0 0
42 [VIN] São Vicente e Granadinas 0 0 0 0
NOTA DO EDITOR


O PAN acabou, teremos a solenidade de encerramento. ESTADOS UNIDOS tranquilão na ponta chegou a 235 medalhas, sendo 92 ouro, 79 prata e 64 bronze. CUBA ficou em segundo lugar, com 58 ouro, 35 prata e 43 bronze, total: 136 medalhas; Terceiro lugar ficou o BRASIL, com 141 medalhas, sendo 48 ouro, 35 prata e 58 bronze; Quarto lugar ficou México com 132 medalhas, com 42 ouro, 40 prata e 50 bronze e QUINTO lugar ficou CANADÁ, com 29 ouro,4o prata e 49 bronze, total com 118 medalhas.


O BRASIL conseguiu depois dos ESTADOS UNIDOS, CUBA, CANADÁ chegar a QUARTO LUGAR no QUADRO GEARAL DE MEDALHAS de todos os PANS, estava atrás da ARGENTINA, por 17 medalhas e agora no PAN DE GUADALAJARA, o Brasil colocou 26 medalhas acima da Argentina.

AMIGOS, desculpa se a cobertura não foi mais eficiente, pois tivemos carências de informações do MEXICO, valemo-nos mais dos sites TERRA, COB e PHOTOEGRAFIA e também da RECORD, que sózinha fez a cobertura, e por extensão não cobriu tudo, mas foi bem.

OBRIGADO SENHOR PELA OPORTUNIDADE.

(CLERY - EDITOR)




PAN 2011 EM GUADALAJARA

VOLEIBOL MASCULINO TAMBÉM

DEU OURO PARA O BRASIL

Como aconteceu com o feminino e os voleibol de praia masculino e feminino, ontem o masculino não mandou CUBA pelo escore 3x1.


(Foto site do COB) Crédito: Washington Alves / Inovafoto / COB

A seleção brasileira masculina de vôlei não tomou conhecimento de Cuba e venceu o rival por 3 a 1 (25/11, 24/26, 25/18 e 25/19), conquistando seu quarto título em Jogos Pan-americanos - havia vencido também em São Paulo 1963, Caracas 1983 e Rio 2007). A partida, que teve todos os ingredientes de final de campeonato, foi disputada na noite deste sábado, dia 29, no Complexo Pan-americano de Voleibol. No final, prevaleceu a maior categoria do time brasileiro, que ficou com a medalha de ouro de Guadalajara 2011.
A equipe brasileira contou, mais uma vez, com o apoio da torcida mexicana, em que pese a derrota para a Argentina na disputa da medalha de bronze, na preliminar. Envolvido pelo clima favorável e explorando as falhas do adversário, o Brasil não deu chance para Cuba no primeiro set. Abriu logo vantagem no placar e, apesar da incrível potência do ponteiro Hernandez na saída de rede, comandou o marcador o tempo todo e fechou o primeiro set de forma tranquila: 25 a 11, em 18 minutos.
O segundo set foi mais equilibrado. Enquanto os cubanos melhoraram o bloqueio, os brasileiros apresentavam erros de ataque. O técnico brasileiro Rubinho fez seu primeiro pedido de tempo quando o placar estava 8 a 6 para Cuba. A catimba cubana também entrou em quadra, quando Hierrezuelo cravou uma bola de segunda e foi provocar a torcida brasileira. O levantador Bruninho deu o troco com uma "deixadinha". Com uma sequencia de quatro saques de Thiago Alves, o Brasil empatou o set em 23 a 23 e o final ficou eletrizante. Mas Cuba fechou em 26 a 24 em 27 minutos.
Ninguém conseguia abrir vantagem significativa no terceiro set. Brasil e Cuba se revezavam nos pontos, com erros de saque de ambos os lados. O levantador Bruninho reclamou de um ponto não marcado pelo árbitro principal e foi advertido verbalmente. Rubinho colocou em quadra Wallace Martins para aumentar a estatura da equipe. No ataque do próprio Wallace, o Brasil fechou o terceiro set por 25 a 18, em 22 minutos.
O quarto set mostrou um Brasil determinado a fechar o jogo sem dar chances aos cubanos para levar a partida ao tie-break. Mesmo jovens, os jogadores brasileiros mostraram maturidade em quadra para não se deixar vencer pelo nervosismo. Gustavo Endres engatou uma sequência de três saques e levou o Brasil a 13 a 9. Em 21 minutos, o time fechou o quarto set por 25 a 19, ratificando a hegemonia do vôlei brasileiro nas Américas.
Feliz, após a conquista de mais um título, o levantador Bruno contou que já esperava um jogo equilibrado. "A gente sabia que seria difícil. Fizemos a melhor partida do campeonato, justamente na final. O time entrou focado e revivemos o Mundial do ano passado, quando também saímos com a vitória. Eu me senti muito bem nesse grupo. A gente sempre quis muito a medalha. Todo o sacrifício valeu a pena. É muito bom reviver a emoção de ouvir o hino nacional no pódio", comentou Bruno, que fez questão de dividir a vitória não somente com os jogadores e a comissão técnica, mas com toda a torcida brasileira, que enviou várias mensagens de apoio pelas redes sociais.
Mesmo o experiente meio-de-rede Gustavo, já acostumado à conquista de títulos importantes, ficou empolgado com a trajetória brasileira em Guadalajara. "Esse gostinho de vitória é indescritível. Esse grupo nos dá um orgulho enorme. Essa garotada é de ouro. Tenho o maior orgulho de participar com eles dessa conquista. A gana que o pessoal tem de ganhar, de pular em cada bola... Isso tudo é maravilhoso. Todo mundo trabalhando junto em busca das vitórias", disse.
Já o ponteiro Lipe, um dos novatos do grupo, destAcou que esse foi o título mais importante que conquistou. "Esse é o melhor momento da minha carreira. É emocionante demais. A gente mereceu muito esse título. Agora é hora de comemorar", declarou, lembrando que o time do Brasil não é formado de apenas seis jogadores, mas de 12.
Outro integrante da nova geração do vôlei brasileiro, o oposto Wallace de Souza era um dos mais felizes com a conquista do ouro em Guadalajara. "A ficha não caiu ainda. Nem esperava jogar o Pan e agora estamos aqui comemorando o título. Mas a gente mereceu. O trabalho foi bem feito. Tudo é resultado da força do conjunto. Para conseguirmos a vitória, precisámos de um bom passe, do bloqueio. Agradeço ao pessoal que me acolheu tão bem na seleção", finalizou.

BLOG DIVULGANDO EVENTOS SOCIAIS E DO ESPORTE

A MAIOR FESTA DE INTEGRAÇÃO
DOS COMERCIÁRIOS DE SANTA MARIA


O SINDICATO DOS COMERCIÁRIOS DE SANTA MARIA mantém a tradição de anos , com a presidência do dinâmico ROGÉRIO, organiza anualmente no final do mês de outubro, uma verdadeira festa de integração dos comerciários. Neste ano, contou com a presença de PEDRO SACCOL, gerente do SESC de Santa Maria. O local da festa, nos últimos anos, tem sido o CASUSA, em Camobi, quando aproximadamente 1 mil pessoas jantam (super cardáio MAAB), fazem amizade e tem sorteio de vários brindes oferecidos pelas lojas locais. A culminância é um dancing.


Nosso blog fez o registro. Está em fotos e texto.



Rogério lê uma mensagem de otimismo
Público atento aguarda as manifestações

Rogério toma conta da festa, faz uma comunicação fluente

Uma vista dos comerciários no ginásio do CASUSA








Integrantes da diretoria SEC baixando os prêmios


Integrantes do Sindicato e os prêmios



Sorteio das mesas para iniciar o jantar, às 22h.



Inicia o jantar pela cor amarela


INICIA A ENTREGA DA PREMIAÇÃO DA 3A. COPA COMERCIÁRIA DE SANTA MARIA, realização do SINDICATO e o apoio do SESC , com a presença do gerente do SESC de Santa Maria, PEDRO SACCOL.



Futsal, campeões ITAIMBÉ AUTOMÓVEIS



ROGERIO, PEDRO do SESC, GILMAR, organizador da competição com a equipe campeã de futsal, LOJA POMPÉIA.



Futebol Sete, campeã FELICE MOTOS/MEDPLUS


RANCHO ALEGRE, campeão da Bocha


Voleibol Feminino, campeã Itaimbé Automóveis



Vera Lúcia, no primeiro sorteio, ganha um forno elétrio


Franciele Santos, pela COELHINHO BORRACHA, ganha um micro-ondas.



3a. COPA COMERCIÁRIA DE SANTA MARIA


Foi realizada no período de agosto a outubro, teve 56 equipes assim distribuídas:20 futsal masculino, 20 futebol sete masculino,4 futsal feminino, 9 bocha trio e 2 no voleibol feminino. Foram 634 atletas inscritos. A coordenação, mais uma vez, esteve a cargo de GILMAR ANTUNES, do SEC e contou com o apoio do SESC, através de Flávio Dias.


Para o organizador GILMAR, a COPA consolida-se, pois tem sido realizada com boa participação e marcado pela camaradagem que o esporte proporciona. Finaliza Gilmar: " Certamente a COPA será uma das atividades da FESTA DO COMERCIÁRIO, uma proposta da atual Administração, coordenada pelo nosso presidente Rogério."



NOTA DO EDITOR


Para nós que convivemos com o esporte, além de profissional de Educação Física e jornalista, na COMUNICAÇÃO ESPORTIVA, não temos dúvidas de que o SINDICATO, comandado pelo dinâmico ROGÉRIO e o esporte com o GILMAR, nosso colega do Conselho Municipal de Esportes e Lazer -CMEL, está sendo dado um exemplo as demais categorias profissionais de Santa Maria. Também queremos destacar o SONHO DE ROGÉRIO, ter o SINDICATO o seu ginásio para esportes e também para a festa anual da categoria comerciária de Santa Maria.


ROGERIO, GILMAR, demais integrantes da diretoria e comerciários estamos torcendo para que tenhamos essa concretização. Vibramos com vocês.
(CLERY - EDITOR)





PAN 2011 EM GUADALAJARA

Kidatai o sexto ouro do judô do Brasil

BRASIL DEVE FICAR EM

TERCEIRO LUGAR GERAL


A briga pelo segundo lugar, deve ter acabado, pois CUBA deve ficar mesmo. No final da noite de ontem - é quase 1 hora deste 30 de outubro, último dia do PAN - Cuba chegou a 58 medalhas de ouro e o Brasil fica em 46 e lhe segue México com 41 medalhas, que passou Canadá. No sábado, o Brasil só fez uma medalha de ouro com Kitadai no judõ.
Kitadai ouro no judô
O recorde saiu apenas no duelo de encerramento do programa de judô dos XVI Jogos Pan-americanos Guadalajara 2011. Mas veio. A vitória de Felipe Kitadai sobre o mexicano Nabor Castillo na final da categoria -60kg, neste sábado, dia, no Ginásio CODE II, deu a sexta medalha de ouro ...


ATUAL QUADRO

Pos País Ouro Prata Bronze Total
1 Estados Unidos 92 79 63 234
2 Brasil 46 35 58 139
3 Cuba 58 34 43 135
4 México 41 38 50 129
5 Canadá 28 40 49 117
6 Colômbia 24 23 33 80
7 Argentina 21 18 35 74
8 Venezuela 12 27 33 72
9 Chile 2 17 24 43
10 República Dominicana 7 9 17 33
11 Equador 7 8 9 24