quinta-feira, 27 de novembro de 2014

NOSSO BLOG VEICULA MATÉRIA DA PRESIDENTE DO RIOGRANDENSE DE SANTA MARIA

 A PRESIDENTE DO RIOGRANDENSE DE SANTA MARIA - RS 
NOTA DA REDAÇÃO - NOSSO BLOG que é meramente da EDUCAÇÃO FÍSICA, ESPORTE NÃO PROFISSIONAL, LAZER. mas prima pela ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO, valendo-se da Matéria de Lucas Rizzatti, globoesporte.com/rs, da RBS está publicando na integra, no sentido de valorizando a MULHER no esporte e esperando de que efetivamente isso venha acontecer, são pouco mais de 100 dias, vamos acompanhar e torcedor que ao longo da TEMPORADA possa realmente acontecer o que ela promete.( CLERY QUINHONES DE LIMA -EDTOR)
- Atualizado em

Da lavoura ao futebol: mulher assume clube e quer transformar interior do RS

Aclamada presidente do Riograndense, Lisete Frohlich cativa patrocinadores e abre percentual de atletas a torcedores; gremista, trabalhou no campo até os 18 anos

lisete riograndense futebol rs gauchão divisão de acesso presidente (Foto: Gilson Pinto Alves/Divulgação)Lisete em estádio que passa por melhorias na sua administração (Foto: Gilson Pinto Alves/Divulgação)

Só mesmo um pedido de entrevista para fazer Lisete parar o carro com o qual costuma se deslocar por todo o Interior em busca de investidores. Ela não costuma ficar muito tempo inerte porque, na sua visão, somente esse trabalho de corpo a corpo pode transformar a dura realidade da parte do futebol alijada dos holofotes monopolizados pela dupla Gre-Nal.

Mais do que isso, um meio dominado pelo universo masculino. Lisete coordena mais de 100 homens, entre jogadores, funcionários, diretores… Afirma que ainda não sentiu os efeitos nocivos do preconceito. Prefere, sim, celebrar o apoio recebido pelos ex-presidentes do clube nascido em 1912 - um dos mais antigos do Rio Grande do Sul, com sede em Santa Maria, quinta cidade mais populosa do estado.
- Foi uma surpresa a aceitação de todo mundo. Estou profissionalizando a gestão. O futebol do Interior está carente de um plano de gestão. Eu quero mudar isso - afirma.
torcedores "ganham" com vendas
lisete riograndense futebol rs gauchão divisão de acesso presidente (Foto: Reprodução)Lisete posa com a camiseta do clube que preside (Foto: Reprodução)
Empossada em setembro, ela conta ao GloboEsporte.com o que pretende fazer nesses dois anos. Ou melhor, o que já começou a realizar. São dois meses de gestão e mudanças com toda a cara de revolução. Uma das principais medidas até o momento foi o convite para os torcedores lucrarem com futura venda de jogadores.
Os fãs podem investir uma cota de R$ 500 ou de R$ 1 mil mensais durante os dois anos da gestão. Assim que um dos nomes da "cesta de atletas", de dez integrantes, for negociado, todos receberão, no mínimo, o valor inicial depositado. Quem ajudou a implementar a novidade foi o gestor esportivo Wagner Luz, que desistiu de ir a Portugal ao conhecer o projeto de Lisete para o Riograndense.

- Historicamente, o clube é muito ajudado por torcedores. Nós queremos dar esse retorno. Há o risco de não vender, mas, de qualquer forma, eles terão ajudado o clube, o que fariam igualmente. Mas há o risco de vender - sorri Wagner, tão empolgado com a empreitada que alonga reuniões com Lisete e equipe até o meio da madrugada.

A mesma concepção de proatividade vale para a busca por patrocinadores. Ou seja, a receita é a maior transparência possível com investidores. Já são cinco empresas cativadas pelo poder de persuasão de Lisete. Antes de sua chegada, havia apenas um patrocinador.
Quero viajar, estar junto. Vou organizar a agenda, estar perto. E dar puxão de orelha quando precisar. Claro que o futebol é um meio machista, mas, por enquanto, não estou recebendo resistência
Lisete Frohlich
- Apresento projetos estruturados, baseados sempre no esquema de "ganha-ganha". O empresário sabe quantas vezes ele sai na TV, no jornal, com sua marca no clube - conta Lisete. - O meu patrocinador master do ano passado só patrocinava o futebol, agora ele patrocina até boxe no clube.

A experiência de Lisete vem de sua qualificação. Formada em pedagogia, fez MBA em gestão empresarial e concluiu até curso da Fifa. Foi com essa última experiência, aliás, que resolveu se envolver de novo com o futebol, esquecido entre tantos afazeres profissionais. Em seus tempos de lavoura de fumo em Venâncio Aires, teve a sua primeira experiência com o esporte ao ouvir as partidas do Grêmio no rádio de pilha do pai.
O Grêmio foi base de seu trabalho de conclusão na Fundação Getúlio Vargas (FGV), no qual foi segundo lugar em nível nacional. Lisete se orgulha da honraria, mas gosta mesmo é de sempre repousar no lugar mais alto do pódio. Mas sem pressa. Tanto que não conta com classificação à elite do Gauchão ainda em sua gestão de dois anos.
sem glamour: até esgoto na pauta
construção grama sintética riograndense futebol rs gauchão divisão de acesso presidente (Foto: Divulgação)Início da construção da quadra de grama sintética (Foto: Divulgação)
A meta principal é inverter a lógica das administrações do Interior. Primeiro, quer arrumar a casa. Depois, o sucesso em campo. Nesse momento, a gestão mostra seu lado menos glamouroso. Até de um problema crônico de dez anos no esgoto do estádio dos Eucaliptos Lisete precisou cuidar.

Com o dinheiro dos apoiadores, já foi possível também reformar um pavilhão, começar construção de um placar eletrônico e de uma quadra de grama sintética e intensificar a campanha de sócios. Espera, em um ano, saltar de 400 associados em dia para 1,4 mil. Também quer atrair as mulheres, construindo espaços como academias e, por que não, no futuro, inseri-las no próprio futebol.

- O segredo é o trabalho, arregaçar as mangas. Futebol é paixão, mas com um pouco de razão. Trabalho em cima do que posso fazer. Nosso clube é viável, pode chegar “no azul”. Só não pode ser um meteoro, subir e cair logo - explica.
Norma Rolim foi a primeira presidente do Riograndense, em duas oportunidades: de 2006 a 2009 e, depois, em 2012 no ano do centenário do clube
Os jogadores se reapresentam em 15 de janeiro, de olho na Divisão de Acesso. E não é só isso. O futebol, desta vez, durará os 12 meses do ano. São 23 atletas confirmados, entre o ex-zagueiro do Grêmio Alex Xavier. Há também um elemento inédito: ao menos dez garotos oriundos da base. O grupo de meninos conta com nutricionista e preparador físico específicos neste fim de ano para chegarem em alto nível ao grupo profissional.
A juventude também é atuante na gestão. A "diretoria jovem" coloca a mão na massa, buscando novos sócios, criando mutirões, como o que recentemente pintou as arquibancadas e marcou o gramado. Se alguém quiser ajudar, criticar ou tão somente elogiar, Lisete personalizou a comunicação. Basta acessar o site do Riograndense e clicar no ícone "Fale com a presidente". Ela garante responder todos os e-mails, mais de 100 por semana só de torcedores.
"não encontrei resistência"
A habilidade de se comunicar vem das palestras e consultorias que realiza com a sua empresa particular. Ofício paralelo que não a tira do convívio diário com o Riograndense. Vai todos os dias ao estádio e espera manter uma rotina de viagens com o grupo de jogadores.

- Quando trabalhava na área de marketing do clube, sempre palestrei, entrava no vestiário. No sub-19, acompanhava tudo, ia no ônibus com jogadores. Quero viajar, estar junto. Vou organizar a agenda, estar perto. E dar puxão de orelha quando precisar. Claro que o futebol é um meio machista, mas, por enquanto, não estou recebendo resistência nenhuma - garante.
lisete riograndense futebol rs gauchão divisão de acesso presidente (Foto: Divulgação)Lisete começou seu trabalho em setembro e espera revolucionar o futebol do Interior (Foto: Divulgação)


A fortaleza de uma mulher disposta a se embrenhar no meio do futebol só é amolecida quando Lisete se recorda dos pais, humildes agricultores que não estão mais vivos para comprovar que todo o esforço valera a pena.

- Se minha mãe estivesse viva… ela falou que eu ia sofrer por ser sonhadora. Mas você tem que sonhar, sim, acordado. E realizar o sonho. Tenho certeza de que eles estão orgulhosos.

O mesmo vale para os torcedores do Riograndense, distantes há 36 anos da primeira divisão do Gauchão. O caminho é longo, mas parece estar bem iluminado pela filha de agricultores que sequer tinha luz elétrica quando nasceu.
Confira as notícias do esporte gaúcho no

Nenhum comentário: