domingo, 5 de janeiro de 2014

NOSSO BLOG SAUDE PELA PRÁTICA EM PARCERIA COM O SITE OLIMPICO RIO 2016

VERBAS DA LEI PIVA/AGNELO LIBERADAS EM 2013e 2014

Do site do COB, estamos apresentando os dados sobre a verba AGNELO/PIVA para as CONFEDERAÇÕES ESPORTIVAS NACIONAIS para o ano de 2014. Também buscamos a informação a respeito da verba liberada em 2013, para que se possa ter um paralelo.

Confederações serão contempladas em 2014 com R$ 101 milhões dos recursos da Lei Agnelo/Piva

Recursos são provenientes de 2% do prêmio pago aos apostadores de todas as loterias federais do país



montagem verba confederações

Crédito: Divulgação

     As Confederações Brasileiras Olímpicas serão beneficiadas com R$ 101 milhões dos recursos da Lei Agnelo/Piva em 2014. A distribuição dos recursos pelo COB às entidades foi definida após reuniões com cada uma das Confederações Brasileiras Olímpicas. A Lei Agnelo/Piva destina 2% do prêmio pago aos apostadores de todas as loterias federais do país ao COB (85%) e ao Comitê Paraolímpico Brasileiro (15%).
    Para 2014 o COB trabalha com uma estimativa de arrecadação de R$ 180 milhões. Dos recursos recebidos, o COB é obrigado por lei a investir 10% no esporte escolar (R$ 18 milhões estimados para 2014) e 5% no esporte universitário (R$ 9 milhões em 2014). Dos cerca de R$ 153 milhões restantes, R$ 77,1 milhões serão aplicados diretamente nos programas das 29 Confederações Brasileiras Olímpicas, exceto o futebol.
    Além do valor que cada entidade receberá para a execução do planejamento mensal em 2014, as Confederações irão dispor de R$ 23,9 milhões do Fundo Olímpico, um fundo de reserva formado pelo COB com o objetivo de atender aos projetos especiais apresentados pelas Confederações Brasileiras Olímpicas, desde que estejam alinhados ao planejamento estratégico de preparação para os Jogos Olímpicos Rio 2016. Com isso, as Confederações serão contempladas  com um total de R$ 101 milhões, 13,5% a mais do que em 2013. Este aumento é superior à variação da arrecadação da Lei Agnelo/Piva em 2013, que foi cerca de 10% maior do que em 2012.
Dos R$ 52 milhões que serão administrados diretamente pelo COB em 2014, a entidade investirá nos projetos orientados especificamente para o treinamento e preparação de atletas e equipes; no incremento e na manutenção do Centro de Treinamento Time Brasil; na implantação do Laboratório de Ciências do Esporte; no envio das delegações para os Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi; para os Jogos Sul-americanos, em Santiago; e para os Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanjing; nas atividades dos cursos de gestão e capacitação promovidos pelo Instituto Olímpico Brasileiro; e na manutenção do próprio COB, entre outras ações.
    Os valores que serão repassados às Confederações em 2014 partem de um mínimo de R$ 1,6 milhão anuais, como é o caso das Confederações de Desportos na Neve e de Desportos no Gelo, a um teto de R$ 3,9 milhões a cinco Confederações: Atletismo, Desportos Aquáticos, Judô, Vela e Vôlei.
Para a definição dos valores destinados às Confederações Brasileiras Olímpicas em 2014, o COB levou em consideração todas as fontes de receita de cada Confederação no planejamento anual da modalidade, tais como patrocínios, convênios com o Ministério do Esporte, Plano Brasil Medalhas e projetos através da Lei de Incentivo ao Esporte, entre outros. O objetivo foi garantir que as principais ações planejadas para 2014 estejam cobertas por alguma das fontes de recursos.
Além disso, o COB considerou ainda os resultados das modalidades em 2012 e 2013, a perspectiva de resultados em 2016, a posição de cada modalidade no ranking mundial, a quantidade de medalhas olímpicas em disputa nos Jogos Olímpicos e a análise da gestão das entidades.


Confira os valores iniciais de cada Confederação em 2014:

Confederação 2014

Atletismo (R$ 3.900.000,00)
Badminton (R$ 1.800.000,00)
Basquetebol (R$ 3.700.000,00)
Boxe (R$ 2.900.000,00)
Canoagem (R$ 2.900.000,00)
Ciclismo (R$ 2.900.000,00)
Desportos Aquáticos (R$ 3.900.000,00)
Desportos na Neve (R$ 1.600.000,00)
Desportos no Gelo (R$ 1.600.000,00)
Esgrima (R$ 1.700.000,00)
Ginástica (R$ 3.700.000,00)
Golfe (R$ 1.700.000,00)
Handebol (R$ 3.700.000,00)
Hipismo (R$ 3.700.000,00)
Hóquei sobre a Grama (R$ 1.700.000,00)
Judô (R$ 3.900.000,00)
Levantamento de Peso (R$ 1.700.000,00)
Lutas Associadas (R$ 2.000.000,00)
Pentatlo Moderno (R$ 1.900.000,00)
Remo (R$ 2.500.000,00)
Rugby (R$ 1.700.000,00)
Taekwondo (R$ 1.700.000,00)
Tênis (R$ 2.500.000,00)
Tênis de Mesa (R$ 2.900.000,00)
Tiro com Arco (R$ 1.700.000,00)
Tiro Esportivo (R$ 2.600.000,00)
Triatlo (R$ 2.800.000,00)
Vela (R$ 3.900.000,00)
Voleibol (R$ 3.900.000,00)


NOTA DO EDITOR
Do mesmo SITE do COB retiramos a matéria da liberação da verba às CONFEDERAÇÕES no ANO DE 2013. Faça o comparativo.

Confederações receberão R$ 90 milhões dos recursos da Lei Agnelo/Piva em 2013

Anúncio foi feito na reunião de trabalho com a presença do ministro Aldo Rebelo e da Comissão de Atletas do COB


Marcão
Crédito: Sérgio Huoliver/COB

As Confederações Brasileiras Olímpicas receberão R$ 90 milhões dos recursos da Lei Agnelo/Piva em 2013. A distribuição dos recursos pelo COB às entidades foi anunciada às Confederações na última segunda-feira, dia 17,  durante a última reunião de trabalho do ano, que contou com a presença do ministro de Esportes Aldo Rebelo e de dez atletas da Comissão de Atletas do COB. Além do valor que cada entidade receberá para a execução do planejamento mensal em 2013, as Confederações irão dispor do Fundo Olímpico, um fundo de reserva formado pelo COB com o objetivo de atender aos projetos especiais apresentados por todas as Confederações Brasileiras Olímpicas.
A Lei Agnelo/Piva destina 2% do prêmio pago aos apostadores de todas as loterias federais do país ao COB (85%) e ao Comitê Paraolímpico Brasileiro (15%). Para 2013 o COB trabalha com uma estimativa de arrecadação de R$ 160 milhões. Dos recursos recebidos, o COB é obrigado por lei a investir 10% no esporte escolar (R$ 16 milhões estimados para 2013) e 5% no esporte universitário (R$ 8 milhões em 2013). Dos cerca de R$ 136 milhões restantes, R$ 67,4 milhões serão aplicados diretamente nos programas das 29 Confederações Brasileiras Olímpicas, exceto o futebol. Somando este valor ao do Fundo Olímpico de R$ 21,6 milhões, as Confederações receberão um total de R$ 89 milhões, 16,84% a mais do que em 2012. Apesar do aumento às Confederações, a arrecadação da Lei Agnelo/Piva nos últimos anos não tem crescido na mesma proporção. Em 2011 a arrecadação foi 9,98% maior do que em 2012, enquanto que em 2012 o aumento foi de 5,13% em relação a 2011.
Para viabilizar o aumento de repasse às Confederações, o COB administrará diretamente em 2013 o mesmo valor estimado no início de 2012, que atenderá  também a uma série de ações em prol do desenvolvimento das próprias Confederações e dos atletas. Dos R$ 47 milhões que serão administrados diretamente pelo COB em 2013, a entidade investirá nos projetos orientados especificamente para o treinamento e preparação de atletas e equipes; no incremento e na manutenção do Centro de Treinamento Time Brasil; na implantação do Laboratório de Ciências do Esporte; no envio das delegações para os Jogos da Lusofonia, em Goa, na Índia, e para os Jogos Sul-americanos da Juventude, em Lima, Peru; nas atividades dos cursos de gestão e capacitação promovidos pelo Instituto Olímpico Brasileiro; e na manutenção do próprio COB, entre outras ações.
Os valores que serão repassados às Confederações em 2013 partem de um mínimo de R$ 1,5 milhão anuais, como é o caso das Confederações de Desportos na Neve, Esgrima, Golfe, Hóquei sobre a Grama e Indoor, Levantamento de Peso, Rugby, Taekwondo e Tiro com Arco, a um teto de R$ 3,5 milhões a cinco Confederações: Atletismo, Desportos Aquáticos, Judô, Vela e Vôlei. Apenas a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo não teve um valor estimado para 2013. O COB aguarda um relatório do presidente nomeado pela Justiça, Emílio Strapasson, para definir os futuros projetos para as modalidades de gelo.
Para a definição dos valores às Confederações em 2013 o COB levou em consideração a quantidade de medalhas olímpicas em disputa em cada modalidade, as perspectivas de resultados para os Jogos Olímpicos Rio 2016; a análise da gestão das entidades em 2012, o processo de classificação para os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi 2014 e os resultados de cada Confederação neste ano em campeonatos mundiais e copas do mundo. Por fim, levou em consideração os atletas das Confederações que estejam entre os TOP 10 do mundo e os patrocínios que as Confederações receberão em 2013.

Confira os valores iniciais de cada Confederação em 2013:
Atletismo - 3.500.000,00
Badminton - 1.600.000,00
Basquetebol - 3.300.000,00
Boxe - 2.600.000,00
Canoagem - 2.600.000,00
Ciclismo - 2.600.000,00
Desportos Aquáticos - 3.500.000,00
Desportos na Neve - 1.500.000,00
Desportos no Gelo - *
Esgrima - 1.500.000,00
Ginástica - 3.300.000,00
Golfe - 1.500.000,00
Handebol - 3.300.000,00
Hipismo - 3.300.000,00
Hóquei sobre a Grama - 1.500.000,00
Judô - 3.500.000,00
Levantamento de Peso - 1.500.000,00
Lutas Associadas - 1.800.000,00
Pentatlo Moderno - 1.700.000,00
Remo - 2.200.000,00
Rugby - 1.500.000,00
Taekwondo - 1.500.000,00
Tênis - 2.200.000,00
Tênis de Mesa - 2.600.000,00
Tiro com Arco - 1.500.000,00
Tiro Esportivo - 2.300.000,00
Triatlo - 2.500.000,00
Vela e Motor - 3.500.000,00
Voleibol - 3.500.000,00

NOSSO BLOG DIVULGANDO A EDUCAÇÃO FISICA, ESPORTE E LAZER

Seleção Masculina de Handebol fica em segundo lugar em torneio na Espanha
Equipe empatou com o Egito neste domingo (5), com 22 gols para cada lado
Seleção Brasileira de Handebol na disputa do Torneio na Espanha - jan 2014
 (FOTO Photeografia)
Santo André (SP) - A Seleção Brasileira Masculina de Handebol ficou com o segundo lugar no Torneio Internacional Memorial Domingo Bárcenas, que foi realizado no Palácio Municipal de Deportes Vista Alegre, em Córdoba, na Espanha, neste fim de semana. No confronto deste domingo (5), os brasileiros empataram com a equipe do Egito, por 22 a 22 (11 a 11 no primeiro tempo). Ontem, o Brasil foi superado pela Espanha, que ficou com o titulo, por 39 a 28. Na sexta-feira, (3), venceu a Suécia, por 31 a 29.

"Nós ficamos contentes com a experiência e por termos jogados contra equipes fortes", comentou o técnico Jordi Ribera.

Após o empate do Brasil, a Espanha, que jogou em casa, passou pela Suécia, por 28 a 22. Os espanhóis venceram os três duelos que disputaram na competição, somando seis pontos. Os brasileiros, que ficaram em segundo, fizeram três. A Suécia vem logo atras, em terceiro, e o Egito ficou em quarto.

Programação

Sexta-feira (3)
Brasil 31 x 29 Suécia
Espanha 32 x 23 Egito

Sábado (4)
Egito 21 x 23 Suécia
Espanha 39 x 28 Brasil

Domingo (5)
Egito 22 x 22 Brasil
Espanha 28 x 22 Suécia

Seleção Brasileira Masculina de Handebol

Goleiros - Luiz Ricardo Milles do Nascimento (Metodista/São Bernardo/Besni-SP) e Maik Ferreira dos Santos (TCC/Unitau/Fecomerciários/Tarumã/Taubaté-SP).

Armadores - Arthur Malburg Patrianova (Naturhouse La Rioja-Espanha), Fernando José Pacheco Filho (Esporte Clube Pinheiros-SP), Guilherme Valadão Gama (Associacón Deportiva Ciudad de Guadalajara-Espanha), José Guilherme de Toledo (Aceu/Univali/FME Balneário Camboriú-SC), Oswaldo Maestro Guimarães (Esporte Clube Pinheiros-SP) e Thiagus Petrus Gonçalves dos Santos (Naturhouse La Rioja-Espanha).

Centrais - Diogo Kent Hubner (Metodista/São Bernardo/Besni-SP), Henrique Selicani Teixeira (Metodista/São Bernardo/Besni-SP) e João Pedro Francisco da Silva (FC Bracelona-Espanha).

Pontas - Arthur Medeiros Ataliba de Sousa (Esporte Clube Pinheiros-SP), Felipe Borges (Montpellier-França), Fábio Rocha Chiuffa (Metodista/São Bernardo/Besni-SP) e Wesley de Freitas (Metodista/São Bernardo/Besni-SP).

Pivôs - Alexandro Pozzer (Associacón Deportiva Ciudad de Guadalajara-Espanha) e Leonardo Domenech de Almeida (Reale Ademar-Espanha).

Comissão técnica
Técnico: Jordi Ribera
Assistente técnico: Hélio Lisboa Justino
Supervisor: Cássio Marques
Preparador físico: Luiz Antônio Luisi Turisco
Fisioterapeuta: Gustavo Pereira Barbosa

NOSSO BLOG DIVULGANDO O ESPORTE, SAUDE E LAZER

Camisetas de Eventos:
ALMIR DOARÁ Á DELEGADOS
O presidente ALMIR GRUHN, presidente da FIEP MUNDIAL informou de que da sua coleção de camisetas -mais de MIL, fez pacotes com 3 camisetas e estará doando aos colegas delegados da FIEP na reunião do dia 12 de janeiro em FOZ, por ocasião do CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA.
                                                                      Foto Hermann