sexta-feira, 11 de novembro de 2016

NOSSO SITE SAUDE PELA PRÁTICA VOLTA COM A COLUNA PALAVRA OLÍMPICA



PALAVRA OLIMPICA________________________________________
RIO, UMA CIDADE OLIMPICA,

MAS DIFERENTE DA ÉPOCA.
    * Clery Quinhones de Lima
Estamos na cidade maravilhosa e olímpica, desde ontem, vimos fazer uma cobertura PÓS-OLÍMPICA. Para não ser vaga, antes, lá em SANTA MARIA,  fizemos uma série de contatos, via telefone, para amarrar as audiências. A certa se confirmou com o COMITE OLIMPICO DO BRASIL. A Adriana Beahr, medalhista olímpica do Volei de Praia e com a função de Diretora de Planejamento Esportivo do COB e as demais que foram enroladas mesmo por telefone, fomos contatar “in locu” e a enrolação continuou e a justificativa das ENTIDADES que estiveram envolvidas com a OLIMPIADA é de que estão em fase de transição.
      Amigos, até se admite, mas se pergunta, onde está o mando e o respeito com todo o dinheiro que envolveu o Evento e também a obrigação da informação, porque acabou a OLIMPÍADA e o povo brasileiro pouco sabe.
      Mas o porque disso? Porque estamos no Brasil. Um país que não é sério. E talvez estejam os mandatários de sangue doce, porque passaram pelo sufoco antes da realização da OLIMPÍADA  em poucos acreditavam no sucesso – o pior que nós sempre defendemos e acreditávamos que tudo daria certo e deu – assim como a OLIMPIADA FOI EXUBERANTE, então não há uma cobrança em cima das ENTIDADES PROMOTORAS.
      Amigos, no COB tivemos a atenção, nas demais só enrolação, mas na verdade que deve uma explicação é a RIO 2016, cujo presidente é o seu NUZMANN e a PREFEITURA MUNICIPAL que teve uma EMPRESA OLIMPICA contratada para a infra-estrutura da OLIMPÍADA.
    Elas devem sim uma explicação ao país. Principalmente no que tange a defesa que fizeram tanto nos legados à comunidade. No momento, lembramos das arenas em que algumas seriam remanejadas para escolas municipais e locais para a prática do esporte comunitários.
      Agora falando no visual da cidade, estivemos em alguns lugares, principalmente lá no PARQUE OLIMPICO e nos deu uma nostalgia, pois estava  acostumado com aquele lindo público, colorido, vibrante e festivo que havitavam praticamente todos os espaços. Não vi nada disso e sim acanhadas, sem o grito do gol, do ponto, do record, do golpe etc..
   Mas a tristeza não foi só nos locais de JOGOS, mas também no apto que ficamos com o grupo da FIEP, - que alcunhamos pelo nome de QG OLIMPICO FIEPBRASIL/QUILISPORT,  principalmente com o ALMIR e o BERNARDINO, que permanecemos durante todo o tempo da OLIMPÍADA, aqui no EDIFICIO ITAMAR, 308, apto 801, na Avenida Nossa Senhora COPACABANA. Aqui estou so, com tendo como meu companheiro, o note e o celular para contatos: Boletins, face, whatz e o site.
    Ainda bem que TOKYO fica longe e talvez eu não tenha a oportunidade de ir lá após a OLIMPIADA – mas sim, se DEUS quiser, queremos estar no mês de julho de 2018, 2 ANOS ANTES do início dos JOGOS  e evidente no período de 24 de julho a 8 de agosto de 2020. Devemos estar junto com alguns colegas da FIEP BRASIL e certamente não PÓS-OLIMPIADA. Mas isso não é definitivo, até porque DEUS que está no comando.
( CLERY – EDITOR DO SITE)

Nenhum comentário: