sábado, 19 de novembro de 2016

NOSSO SITE COM A SEXTA ETAPA DO ESTADUAL DE BOCHA ADAPTADA

PREMIAÇÃO DO FEMININO FOI ENTREGUE NA NOITE E FICA PARA DOMINGO DE MANHÃ ETAPA FINAL MASCULINO.
Prosseguiu na noite desse sábado, no CRUZEIRINHO, as demais etapas do masculino e apurou os 4 finalistas. A premiação do Feminino foi entregue.
 Adriana Dias de Santa Maria, da ASSAMPAR foi campeã. Ela com o presidente Denilson, ASSAMPAR e o casal presidente do Cruzeirinho.
 Campeã Adriana - Santa Maria,vice -Tania - S. Cruz. 3. Lugar - Cláudia - S. Maria e 4. Lugar - vera S. Maria
 As 4 mulheres participantes da etapa de Santa Maria, com Edemar, Cruzeirinho, Joel, FGB e Denilson , ASSAMPAR
 Grupo Masculino - Iniciou com a participação de 24 pessoas e chega amanhã com 4 finalistas, sendo 1 de Santa Maria - Vanderson Saheres e 3 de Passo Fundo - Anderson Nunes, Carlos Borges e Amador Mello, eles fazem a semi-final e depois tem a decisão de terceiro/quarto lugares e o título. A disputa de domingo, inicia às 9h.

NOSSO SITE DIVULGANDO O ESPORTE, SAUDE E LAZER

Rio Grande do Sul vence Rio de Janeiro e se consagra no vôlei feminino da primeira divisão

Letícia Scherer, Paola Pavi, Paula Panno, Rafaela Sippel e Cláudia Scheid se destacam na partida. Paraná derrota Minas e fica com o bronze

Washington Alves/Exemplus/COB

    O time feminino de vôlei do Colégio Martin Luther, de Estrela (RS), venceu o CEL, do Rio de Janeiro, por 3 sets a 0, parciais de 25/22, 25/18 e 25/21, na manhã deste sábado, dia 19, e conquistou a medalha de ouro dos Jogos Escolares da Juventude de João Pessoa, categoria 15 a 17 anos. Na preliminar, no ginásio do SESC, o Colégio Expoente Água Verde, de Curitiba (PR), derrotou o COC Uberlândia (MG), também por 3 a 0 (25/23, 25/17 e 25/6), e ficou com a medalha de bronze.

Se o jogo decisivo fosse válido pela Superliga, o Troféu Viva Vôlei teria várias candidatas para recebê-lo. A oposta Letícia Scherer, que apesar do sobrenome campeão, não tem parentesco com o nadador medalhista olímpico Fernando Scherer, o Xuxa, a líbero Paola Pavi, a levantadora Claudia Scheid, a ponta Paula Panno e a central Rafaela Sippel mostraram tudo o que sabem na partida e qualquer escolha para a melhor atleta do jogo estaria em boas mãos.

A comemoração efusiva no fim da partida deixou claro também a importância da competição para as jovens atletas. As meninas entoaram vários gritos, homenagens, brincadeiras em geral e até volta olímpica as novas campeãs do vôlei dos Jogos Escolares fizeram questão de dar. Os preparadores físicos da equipe, que ficaram no Rio Grande do Sul, pais, jogadoras da equipe que não puderam viajar... Todos foram homenageados após a partida.

"Ah, eu sou gaúcho". "Marlos eu te amo". "Roca eu te amo". "Pai e mãe eu te amo". "Pizza eu te amo". "Praia eu te amo". Ainda na quadra, as atletas disseram que agora elas podem comer a iguaria italiana e aproveitar as praias da capital paraibana, que elas não podiam aproveitar.

"Agora temos direito a tudo. Pizza cheia de recheio, horas na praia. A derrota na fase de classificação (para o time mineiro) foi uma lição para todas nós. A gente não estava jogando o nosso melhor, mas na semifinal e na final a gente se encontrou e nos superamos com muita garra para conquistar esse título", disse Letícia, de 17 anos, que nunca defendeu a seleção brasileira em categorias de base, mas chegou a ser pré-convocada para sul-americano de 2013.

Com três atletas da seleção juvenil – Mayara Silva, Maria Clara Cavalcante e Jéssica Silva –, a equipe carioca era uma verdadeira seleção estadual. Mas o time mostrou pouco entrosamento e falhou muito na defesa. No primeiro set, as gaúchas começaram atrás no placar (5 a 3), mas marcaram sete pontos seguidos e apesar do esforço da ponta do Fluminense Mayara Silva, de 15 anos, 1,84m e que se sagrou campeã sul-americana da categoria há três meses, no Peru, o Rio de Janeiro não conseguiu reverter o placar.

Líder do time, a ponta Maria Clara, a Ecacá, de 16 anos, que também joga no Fluminense, e a "gigante" Jéssica, de 2,02m, não estavam nos seus melhores dias. As gaúchas, pelo contrário, vibravam a cada ponto conquistado e dominaram amplamente o segundo set. No terceiro, a equipe do pequeno município de estrela, com pouco mais de 30 mil habitantes, segundo o censo do IBGE, voltou a abrir vantagem (14 a 9), mas impulsionadas por Mayara, as cariocas encostaram no placar.

Com 15 a 14 a seu favor, o técnico gaúcho Rodrigo Rother pediu tempo e parou a reação carioca. Lá na frente, Paula, Rafaela e Letícia colocavam as bolas no chão e lá atrás a líbero Paola colocava todas as bolas para cima. No fim da partida, Paola resumiu a trajetória da equipe gaúcha na competição em poucas palavras.

"Começamos o torneio bem abaixo do nosso potencial, mas fomos aos poucos ganhando corpo e mostramos todo o nosso vôlei na partida decisiva", disse Paola, de 16 anos, que tem um belo futuro pela frente no esporte.

Bronze – Na disputa pela medalha de bronze, a equipe do Colégio Expoente, que tem parceria com o Curitibano, sobrou na partida. Após um primeiro set duro, o time paranaense dominou as ações contra as mineiras do COC Uberlândia e venceram o terceiro set com uma vantagem de 19 pontos. Destaques para a levantadora Suélen Custódio e para a oposta Milena Vilela Miranda, de 16 anos. O técnico Luiz Lima parabenizou as atletas após a conquista.

"Vencemos esse mesmo time gaúcho na Taça Paraná, o campeonato brasileiro interclubes, há pouco tempo e o time carioca na primeira fase da competição por 2 a 0 com certa facilidade. Mas ontem (nas semifinais, contra as gaúchas) jogamos abaixo das expectativas. Foi aquele dia que nada dá certo. Além disso a gente teve umas sete bolas que sequer esboçamos uma defesa. Hoje corremos atrás de todas as bolas, mesmo as que pareciam perdidas e isso fez a diferença na partida", explicou o técnico de 28 anos.

Os Jogos Escolares da Juventude são organizados e realizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), correalizados pelo Ministério do Esporte e Grupo Globo, com apoio do Governo da Paraíba e patrocínio máster da Coca-Cola.
Veja como ficaram os pódios da segunda e da terceira divisão do vôlei nos Jogos Escolares da Juventude:
Segunda divisão:
1º - Colégio Amplo (SC)
2º - Colégio Impacto (PA)
3º - Colégio Batista (CE)
Terceira divisão:
1º - Colégio Isaac Newton (MT)
2º - C.E. La Salle (AM)
3º - Maria Arlete (RO)

SAUDE PELA PRÁTICA COM A ETAPA ESTADUAL DE BOCHA ADPTADA EM SANTA MARIA

Bocha Adaptada Etapa Estadual em Santa Maria:
 CRUZEIRINHO PASSA A SER SEDE ATÉ O FINAL DA COMPETIÇÃO.
 Mediante a situação em que tendo a competição a disposição duas canchas ( Inter e Cruzeirinho), ao chegar na terceira fase do naipe masculino,  podendo tecnicamente concentrar numa só cancha, com a realização dos jogos numa só cancha e havendo interesse de atletas e dirigentes foi feito um sorteio e acabou ganhando a cancha do CRUZEIRINHO. Então, os jogos passam a ser realizados até o final da noite, apurando os semi-finalistas e ficando a decisão de terceiro e o título para amanhã, a partir das 9h.

FEMININO ENCERROUJá na manhã de hoje foi encerrada a competição feminino, que teve a participação de 4 bochófilas, sendo 3 da ASSAMPAR - SMaria e 1 de Santa Cruz. Foi campeão ADRIANA DIAS, de ASSAMPAR e vice, Tania de SCRUZ.
 
 Pela primeira vez a participação das mulheres na BOCHA ADAPTADA
Da esquerda para direita: Vice - Tania; 4º lugar -Vera, campeã - Adriana e 3º lugar - Cláudia

NOSSO SITE ACOMPANHA COMPETIÇÃO DE BOCHA ADAPTADA EM SANTA MARIA

SANTA MARIA SEDIA ETAPA DO ESTADUAL DE BOCHAS ADPATADA
(Maior participação e estréia do feminino)
A sexta etapa do Estadual de Bocha Adaptada, em cadeiras de rodas, abriu  na manhã de hoje, no Internacional. Conta 28 participantes, sendo que  no evento com 4 mulheres, Contou com a presença de autoridades, convidados, bochófilos e dirigentes. A organização da ASSOCIAÇÃO SANTAMARIENSE PARADESPORTO.


    Teve o Hino Nacional e o juramento do atleta feito por Mauro Fetter, da ASSAMPAR.
 


 Usaram da palavra___________________________________
  Os anfitriões: 


Anselmo Almeida - Pelo Internacional, que destacou a importância do sediamento desse tipo de competição, que comove e se notabiliza o esforço individual dos seus praticantes. " Estamos felizes e muito por viver esse momento". Agradeceu a sua equipe de trabalho."
 Edemar Eilert - Presidente do Cruzeirinho; " Conciliamos com o Anselmo, e fazemos isso pelo Clube que se identifica com a bocha. Estamos para colaborar e ver a Bocha Adaptada se desenvolver. Destacamos a presença e apoio da FGB, através do seu diretor de Bocha Adaptada, Sr. Joel e dizemos aos atletas que se sintam em casa."

 Denilson de Souza - Presidente da ASSAMPAR: " Um dia feliz, queríamos realizar esse evento em SANTA MARIA e graças a Deus ele está acontecendo. Também como os demais fazemos os nossos agradecimentos a todos pelas suas participações. Muito especial a nossa diretoria e os clubes parceiros que viabilizam essa competição "
Autoridade: 
 Joel Stock - Diretor do Departamento de Bocha Adaptada da FGB." Mais uma etapa a ser cumprida do nosso Estadual. Graças a Deus, tudo em ordem e a isso agradecemos a ASSAMPAR que coordena o evento aqui juntamente com os nossos Colaboradores: Anselmo do INTER e Edemar do CRUZEIRINHO. Obrigado atletas por estaremos presente, aliás é record de participação e também destacamos o início da participação das mulheres. Obrigado a todos."
Registros das seguintes presenças a solenidade de abertura:            
       Givago Bitencourt - Secretario Adjunto de Esportes e Lazer de SM; Marquetto - Presidente do Inter e Sr. João, diretor de bochas; Professor Odilo Ravanello, da Prefeitura Municipal de Santa Maria,Vereadora Sandra Rebelatto, Vereador eleito, Alexandre Vargas e o bochófilo Tenente, do Cruzeirinho. 
Ineditismo:
 Essas as bochófilas que iniciam a competição:Tania Maslec - ASPADE - S. Cruz, Vera Comassetto, Adriana Dias e Claudia Ravazi ( essas todas de Santa Maria). Portanto é a primeira vez que tem a participação feminino.
 
Locais de Jogos:
                                              Cruzeirinho

Internacional

 Outras fotos:
                                      Grupo de participantes

             Equipe de Clube Subtenentes e Sgts BM, Santa Cruz
                    Hino Nacional com o auxílio do Celular



                 Vera Comassetto(S.Maria) e Tania(S.Cruz) abriram a competição feminino.


 Claudia e Adriana , ASSAMPAR, dupla local.

NOSSO SITE DIVULGANDO O ESPORTE, SAUDE E LAZER


João Pessoa, 19/11/2016

Jogos Escolares da Juventude João Pessoa 2016 chegam ao fim projetando o futuro do esporte brasileiro
De João Pessoa podem surgir talentos para integrarem as delegações brasileiras dos Jogos Olímpicos da Juventude Buenos Aires 2018 e Tóquio 2020
Inspirada pelo sucesso dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a geração de 15 a 17 anos do esporte nacional despede-se neste sábado, dia 19, de João Pessoa, onde, por nove dias, participou dos Jogos Escolares da Juventude. De olho na inserção social através do esporte e na detecção de talentos, o Comitê Olímpico do Brasil (COB), organizador do evento, celebra mais uma edição bem sucedida da maior competição esportiva escolar do país. Muito mais do que um eventos meramente esportivo, os Jogos Escolares são a oportunidade de jovens de todo o país vivenciarem uma série de experiências que trazem consigo os valores positivos do esporte. Durante nove dias, mais de 3.600 estudantes de todo o país viveram os seus próprios Jogos Olímpicos e, certamente levarão na bagagem, além de conquistas nas 13 modalidades em disputa, muitas histórias e aprendizados.  
Neste sábado foram realizadas as disputas de medalhas nas modalidades coletivas, todas em três divisões, no masculino e feminino: basquete, futsal, handebol e vôlei. Outras nove modalidades individuais fazem parte do programa dos Jogos Escolares e se encerraram no domingo passado - atletismo, ciclismo, ginástica rítmica, judô, lutas, natação, tênis de mesa, vôlei de praia e xadrez.
"Estamos muito satisfeitos com a evolução dos Jogos Escolares da Juventude ao longo dos anos. Certamente ainda temos muito o que avançar, mas a cada edição estabelecemos novos padrões na organização, possibilitando a entrada de mais jovens neste processo de inclusão", afirmou Edgar Hubner, diretor geral dos Jogos Escolares da Juventude e gerente geral de Juventude e Infraestrutura do COB. "Em João Pessoa vimos talentos começarem a despontar no cenário esportivo nacional, mas o mais importante é dar oportunidade para um número cada vez maior de jovens se inserirem socialmente através do esporte", completou Edgar.

Apesar de não ser o objetivo principal da competição, a cada ano novos nomes oriundos dos Jogos Escolares despontam para o esporte brasileiro. Um exemplo concreto da capacidade de identificação de talentos do evento são os 52 atletas com passagem pelos Jogos Escolares que estiveram entre os 465 atletas do Time Brasil no Rio 2016, entre eles Mayra Aguiar, Sarah Menezes, do judô, e Hugo Calderano, do tênis de mesa. Levando-se em consideração apenas as modalidades disputadas nos JEJ's, esse número representa aproximadamente 23% da delegação verde e amarela nos Jogos do Rio.
Com o início do novo ciclo olímpico, as atenções já se voltam para a formação das próximas delegações que representarão o Brasil em competições internacionais. Neste sentido, a geração escolar de 15 a 17 anos passa a entrar no radar do COB e das confederações para os Jogos Olímpicos da Juventude 2018, Pan-americanos Lima 2019 e Olímpicos Tóquio 2020.
Reconhecendo a vital importância dos Jogos Escolares na detecção de talentos, o novo diretor executivo do COB, Agberto Guimarães, veio a João Pessoa e acompanhou de perto o desempenho da nova geração do esporte nacional. "Os Jogos Escolares da Juventude são uma marca definitiva do COB em relação à detecção de talentos. É, sem dúvida nenhuma, um dos maiores, se não o maior evento escolar do mundo, onde temos a oportunidade de avaliar verdadeiramente os talentos que surgem nas escolas pelo Brasil afora", declarou Agberto, quarto colocado nos 800m dos Jogos Olímpicos Moscou 1980. "A gente não consegue fazer alto rendimento sem ter uma base muito bem consolidada. Os Jogos Escolares nos dão a oportunidade de fazer exatamente isso, de garimpar os novos talentos nas escolas. A gente detecta os talentos aqui nesse evento e temos como aproveitá-los melhor. Ou  seja, temos um produto espetacular nas mãos", completou.
Para incentivar a revelação de valores, o COB e as Confederações Brasileiras Olímpicas montaram uma verdadeira rede de detecção de talentos através dos Jogos Escolares. Todos os anos, as entidades enviam observadores para os Jogos com o objetivo de detectar os talentos e levá-los aos seus programas. 
Figura carimbada em todas as edições do evento, o treinador da seleção brasileira feminina adulta, o dinamarquês Morten Soubak já pinçou uma série de jogadoras para períodos de treinamento entre as melhores do Brasil. “Os campeonatos aqui são sempre muito bem disputados, com jogadoras de qualidade. Infelizmente temos poucos clubes no Brasil para absorver tamanha qualidade. Não há duvida nenhuma que algumas jogadoras vão sair daqui direto para a Seleção Brasileira Juvenil e para a Seleção Adulta”, afirmou o dinamarquês.
A entrada das cinco novas modalidades (beisebol, caratê, escalada, skate e surfe) no Programa Olímpico pode trazer mudanças também nos Jogos Escolares da Juventude. "Os novos esportes olímpicos estão passando por um processo de regularização das suas confederações junto ao COB para receber os recursos da Lei Agnelo/Piva. Nas categorias de base, o que está sendo conversado é a possibilidade do skate de fazer parte do programa dos Jogos Escolares, uma vez que a modalidade está muito presente nas escolas brasileiras e a chance de medalhas olímpicas para o Brasil é grande", declarou Edgar.

Em João Pessoa, uma seleção de craques do esporte olímpicos atuaram como Embaixadores, com o objetivo de transmitirem suas experiências e inspirarem os jovens atletas. Os campeões olímpicos Rafaela Silva, do judô, e Giba, do vôlei, estiveram no seleto grupo de 12 atletas consagrados convidados pelo COB para serem Embaixadores dos Jogos, e levaram os estudantes ao delírio por onde passavam. A função dos Embaixadores é levar o exemplo positivo da prática esportiva para os jovens participantes, através do contato direto, palestras e atividades educativas. A escalação dos embaixadores para a etapa de 15 a 17 anos dos JEJs trouxe diversos medalhistas olímpicos, mundiais e pan-americanos: Fabiana Murer (atletismo), Janeth Arcain (basquete), Gideoni Monteiro (ciclismo), Lenisio Teixeira (futsal), Natalia Gaudio (ginástica rítmica), Dara (handebol), Gilda Oliveira (lutas), Graciele Herrmann (natação), Mariany Nonaka (tênis de mesa), e Ricardo (vôlei de praia).

 "O futuro do esporte brasileiro está aqui em João Pessoa. É um prazer muito grande poder motivar todos esses jovens e contribuir de alguma forma para o crescimento do esporte brasileiro", disse Fabiana Murer, campeã mundial em Daegu 2011 e medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos Rio 2007. 

Diversos nomes se destacaram ao longo dos nove dias de competição. A nadadora paulista Ana Carolina Vieira se consagrou nos Jogos Escolares da Juventude João Pessoa 2016, para alunos-atletas de 15 a 17 anos. Atleta do Colégio Amorim Tatuapé, Ana Carolina conquistou seis medalhas de ouro na competição disputada na Vila Olímpica da Parahyba entre os dias 11 e 13 de novembro. Ela venceu os 50m, 100m e 200m livre além de ajudar a equipe paulista a conquistar a medalha de ouro nos três revezamentos: 4x50m livre, 4x50m medley misto e 4x50m medley.  Invicto nos Jogos Escolares desde 2013, Felipe Araújo de Santana, da luta olímpica do Amazonas, foi ouro mais uma vez em João Pessoa. Na ginástica rítmica, quem dominou o pódio foi a paranaense Barbara Godoy Domingos. Ela levou o ouro por equipes, no individual geral e nos três aparelhos que fizeram parte da competição: fita, bola e arco. Já o jovem ciclista Brendo Morais Santos se destacou em edições anteriores dos Jogos Escolares da Juventude defendendo Sergipe, seu estado de origem. O sucesso foi tanto que há oito meses ele foi morar no interior de São Paulo para treinar no Centro de Excelência da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC). Em João Pessoa, Brendo conquistou mais um título dos Jogos Escolares, dessa vez na prova de resistência.

Os números dos Jogos Escolares são grandiosos. Anualmente o evento contempla mais de 2 milhões de jovens nas seletivas municipais e estaduais, organizadas pelos estados e municípios, representando 40 mil escolas de quase 4 mil cidades do Brasil. Ao todo, mais de 5.400 pessoas estiveram envolvidas no evento nacional em João Pessoa, entre atletas, treinadores, oficiais, médicos, voluntários e organizadores.  
Além das competições, os jovens atletas tiveram à disposição uma série de eventos paralelos. O programa sócio-educativo e cultural abrange diversas atividades extras com o intuito de aproximar os jovens de todo o país aos valores olímpicos. Esse ano, o tema geral do evento foi "Esporte e Cinema". 
Ao todo, mais de cinco mil pessoas estiveram envolvidas no evento, entre atletas, treinadores, oficiais, médicos e organizadores. O evento contou ainda com o fundamental apoio de 421 voluntários nas mais diversas áreas da organização do evento.
Sede dos Jogos Escolares pela sexta vez, João Pessoa, que também foi a sede da etapa de 12 a 14 anos, em setembro, passou a ser a cidade que mais vezes recebeu uma edição dos Jogos Escolares, ultrapassando Poços de Caldas (MG), anfitriã da competição em cinco ocasiões. Nesta etapa de 15 a 17 anos, 24 hotéis da cidade foram utilizados para hospedar atletas de todas as regiões do país, além de membros da organização do evento. A receita gerada pelas diárias ao longo da competição será em torno de 4 milhões de reais.
Mais de 20 locais de competição foram utilizados na capital paraibana para a disputa de 13 modalidades: atletismo, basquete, ciclismo, futsal, ginástica rítmica, handebol, judô, lutas, natação, tênis de mesa, vôlei, vôlei de praia e xadrez. Neste sábado foram realizadas as disputas de medalhas nas quatro modalidades coletivas.
Tema de interesse global, a sustentabilidade também é levada a sério nos Jogos Escolares da Juventude. A organização da competição promoveu uma série de ações com o objetivo de chamar a atenção para a importância da preservação ambiental e do descarte do lixo de forma consciente. Nos últimos eventos, mais de dez toneladas de material reciclável foram doados para cooperativas, mais de três toneladas de resíduo orgânico foram encaminhados para a compostagem, além da redução de quantidade de lixo descartado em aterros sanitários, capacitação de funcionários que atuam na limpeza, cozinha e restaurante, e plantio de mais de duas mil árvores nativas da Mata Atlântica visando neutralizar o dióxido de carbono emitido durante os eventos.

Os Jogos Escolares da Juventude são organizados e realizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), correalizados pelo Ministério do Esporte e Grupo Globo, com apoio do Governo da Paraíba e patrocínio máster da Coca-Cola.


       Fotos de divulgação disponíveis através do link: http://imprensa.cob.org.br/
Atenciosamente,
Assessoria de Imprensa dos Jogos Escolares da Juventude, em João Pessoa (PB):
Daniel Varsano - (83) 99984-0760
João Henrique Amaral (83) 99960-0086

No Rio de Janeiro:
Christian Dawes - (21) 2494-2085 - imprensa@cob.org.br