quinta-feira, 18 de outubro de 2018

JOGOS OLIMPICOS DA JUVENTUDE - DO COB

Time Brasil conquista 15 medalhas nos Jogos Olímpicos da Juventude Buenos Aires 2018 e iguala campanha de Nanquim 2014
País sobe ao pódio em nove modalidades e COB avalia positivamente a participação brasileira na competição para atletas de 15 a 18 anos
    A terceira edição dos Jogos Olímpicos da l9Juventude chegou ao fim nesta quinta-feira, dia 18, em Buenos Aires, na Argentina. Com a medalha de ouro conquistada pela equipe masculina de futsal no último dia de disputas, o Time Brasil encerrou a competição com um total de 15 medalhas (duas de ouro, quatro de prata e nove de bronze - sendo duas com equipes multinações) em nove modalidades diferentes. Para o Comitê Olímpico do Brasil (COB) a avaliação é positiva. O resultado do país é o mesmo, em número de pódios, da última edição do evento, em Nanquim 2014. Em Cingapura 2010, o Brasil conquistou sete medalhas. Os Jogos Olímpicos da Juventude não possuem um quadro oficial de medalhas. 
“Estamos satisfeitos com os resultados apresentados pelos atletas brasileiros em Buenos Aires. Ainda há muito trabalho a ser feito com esses jovens, mas as 15 medalhas conquistadas em nove diferentes modalidades demonstram que temos uma geração promissora para os próximos anos. Além dos resultados esportivos, o mais importante foi proporcionar a primeira experiência olímpica a eles. Temos certeza que vivenciaram momentos inesquecíveis e que seguirão ainda mais motivados a continuarem se dedicando ao máximo à carreira esportiva”, afirmou Sebástian Pereira, chefe da missão brasileira em Buenos Aires e gerente executivo de Alto Rendimento do COB. 
Entre os destaques da participação brasileira nos Jogos Olímpicos da Juventude Buenos Aires 2018 estão o ouro de Keno Marley e o histórico bronze de Luiz Gabriel “Bolinha” Oliveira, o neto de Servílio de Oliveira, no boxe; as duas medalhas individuais de Diogo Soares na ginástica artística; a inédita prata do revezamento 4x100m livre feminino de natação em competições de nível mundial; e o ouro do futsal em sua estreia em um evento olímpico. Na natação e no judô, todos os atletas das equipes brasileiras voltam para casa com medalhas. O atletismo brasileiro, nas provas de 200m masculino e feminino, também voltou ao pódio dos Jogos Olímpicos da Juventude depois de ficar de fora em Nanquim. O taekwondo e o tênis mantiveram a tradição de medalhas em Jogos da Juventude com Sandy Macedo e Gilbert Soares, respectivamente. Destaque também para a inédita medalha do badminton, com Jaqueline Lima, que participou de uma disputa por equipes multinações (formada por atletas de vários países).
Para o COB, os Jogos Olímpicos da Juventude possuem uma importância estratégica fundamental para a detecção de talentos para o esporte nacional. Muitos atletas que brilharam nos Jogos Olímpicos Rio 2016 passaram pelos Jogos Olímpicos da Juventude, entre eles Thiago Braz, Isaquias Queiroz, Felipe Wu, Arthur Nory, Flávia Saraiva e Hugo Calderano, entre outros. “Muitos atletas apresentaram excelente desempenho em Buenos Aires, mas sabemos que ainda são bastante jovens e precisam se desenvolver. Pode ser que alguns dos que estiveram aqui integrem o Time Brasil em Tóquio 2020, mas o foco principal desta geração são os Jogos de Paris 2024 e Los Angeles 2028. O COB passa agora a acompanha-los de perto e dará o suporte para o desenvolvimento destes atletas”, ressaltou Sebástian, judoca olímpico dos Jogos de Atlanta 96. 
Além do intercâmbio com competidores das mais diferentes culturas, os jovens do Time Brasil tiveram ainda em Buenos Aires o primeiro contato com os serviços oferecidos pelo COB em uma missão olímpica. Além dos atletas e treinadores, a delegação brasileira contou com médicos, fisioterapeutas, massoterapeutas e uma psicóloga, que inclusive realizou um trabalho específico para esta faixa etária e contribuiu para a conquista de algumas medalhas na competição. Ao todo, a delegação brasileira teve 121 integrantes na Argentina. 
Além das disputas, os Jogos Olímpicos da Juventude proporcionaram experiências inesquecíveis aos atletas brasileiros. Às vésperas do início da competição, a skatista Letícia Bufoni visitou a Vila Olímpica e os atletas do Time Brasil. Ver de perto a tricampeã mundial de skate foi um privilégio para poucos, assim como a chance de cumprimentar e "bater bola" com os meninos dos Javalis Selvagens, a equipe de futebol que ficou presa em uma caverna na Tailândia, em julho. Já no penúltimo dia em Buenos Aires, a visita não foi menos importante. A jogadora Marta, seis vezes eleita como a melhor do mundo, também visitou a Vila e conversou por algum tempo com nossos jovens atletas. Nesta quinta, Marta assistiu a final do futsal, vencida pelo Brasil, ao lado do presidente do COI, Thomas Bach.
A delegação nacional reforçou ainda a importância dos Jogos Escolares da Juventude para a detecção de talentos para o esporte nacional. Em Buenos Aires, o Time Brasil contou com 33 atletas entre 59 possíveis em 11 modalidades oriundos da maior competição escolar do país. Os Jogos Escolares da Juventude são organizados pelo COB desde 2005 e reúnem anualmente cerca seis mil atletas na etapa nacional. 
Buenos Aires 2018 apresentou novos formatos de modalidades, como o basquete 3x3, que fará sua estreia na versão adulta, em Tóquio 2020, o kitesurfe, classe da vela que está no programa de Paris 2024, e o ciclismo BMX freestyle, que visa uma aproximação com o público jovem. O futsal participou pela primeira vez de uma competição olímpica e foi a única a modalidade coletiva em que o Brasil esteve representado. Escalada, caratê, break dance, ginástica acrobática e handebol de areia também fizeram parte do programa, mas sem a presença de brasileiros.
A terceira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude contou com a participação de aproximadamente quatro mil atletas de 206 países para a disputa de 36 modalidades e 280 provas. Além das competições esportivas, o evento teve ainda uma intensa programação educativa e cultural oferecida pelo Comitê Olímpico Internacional. Outra marca importante dos Jogos de Buenos Aires é a igualdade de gêneros. Pela primeira vez na história olímpica, uma competição olímpica teve o mesmo número de homens e mulheres. 
MEDALHAS DO TIME BRASIL EM BUENOS AIRES 2018
Ouro
Keno Marley – boxe (-75kg)
Equipe masculina de futsal - Breno Bertoline, Caio Valle, Françoar Oliveira, Guilherme Henrique, João Victor Sena, Mateus Barbosa, Matheus Moura, Vitor Henrique, Wesley Reinaldo e Yuri Gavião
Prata
Diogo Soares – ginástica artística (barra fixa)
Ana Carolina Vieira, Fernanda Goeij, Maria Luiza Pessanha e Rafaela Raurich - natação (Revezamento 4x100m livre feminino)
Ana Carolina Vieira, André Calvelo, Lucas Peixoto e Rafaela Raurich - natação (Revezamento 4x100m livre misto)
André Calvelo, Lucas Peixoto, Murilo Sartori e Vitor Souza – natação  (Revezamento 4x100m livre masculino)
Bronze
Letícia Lima – atletismo (200m)
Lucas Conceição – atletismo (200m)
Jaqueline Lima – badminton (equipe mista multinações)
Luiz Gabriel de Oliveira – boxe (-52kg)
Diogo Soares - ginástica artística (Individual Geral)
Duda Vaz - judô (-78kg)
João Vitor Santos - judô (equipe mista multinações)
Sandy Macedo - taekwondo (-55kg)
Gilbert Soares – tênis (simples)
Atenciosamente,
Comunicação – Relações com a Imprensa
Christian Dawes / Daniel Varsano
Tels: 21-2494.2085-
 imprensa@cob.org.br

Nenhum comentário: