quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

nosso site e a pré-cobertura de tokyo 2020


VELA

Robert Scheidt faz história e garante classificação para disputar a sétima Olimpíada

Velejador garantiu o índice olímpico no Campeonato Mundial no Japão




<i>(Foto: Junichi Hirai/Bulkhead Magazine Japan)</i>
Robert Scheidt não cansa de quebrar recordes e fazer história defendendo o Brasil. Bicampeão e maior medalhista do país em Jogos Olímpicos, o velejador garantiu o índice para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 ao conquistar o 12º lugar no Campeonato Mundial da Classe Laser 2019, em Sakaiminato, no Japão, na madrugada desta terça-feira.

Ele ficou seis posições abaixo da linha de corte estipulada pela CBVela, que era a 18ª posição. Com o passaporte carimbado, o atleta de 46 anos está prestes a se tornar o recordista brasileiro em participações em Olimpíadas, com sete no currículo.

“Saio do Japão com a sensação de missão cumprida e bem contente por ter dado esse passo importante. O fato de estar elegível para a equipe do Brasil que vai competir em Tóquio, em 2020, é um motivo a mais para trabalhar, pois esse Mundial mostrou que, para atingir o objetivo de andar entre os top 5 e chegar ao top 3, ainda existem detalhes da minha velejada que preciso aprimorar. Esse vai ser o foco para os próximos meses”, disse Scheidt.

O velejador está muito perto de disputar sua sétima olimpíada, mas ainda precisará esperar a convocação. De acordo com o critério estabelecido pelo Conselho Técnico da Vela (CTV) e ratificado pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela), o bicampeão olímpico só perde a vaga se outro atleta do Brasil for medalhista no Evento-Teste de Enoshima/2019 ou subir ao pódio no Mundial da Laser em 2020.

“Vou competir na raia olímpica, em agosto, em Enoshima com objetivo de ratificar a vaga e buscar evolução para estar em condições de brigar por medalha em Tóquio”, garantiu.

Confira a carreira do maior atleta olímpico brasileiro:


Medalhas
Ouro: Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na Classe Laser)
Prata: Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze: Londres/2012 (Star)

Títulos
181 títulos – 89 internacionais e 92 nacionais, incluindo a Semana Internacional do Rio, o Campeonato Brasileiro de Laser e a etapa de Miami da Copa do Mundo, todos em 2016. Em novembro de 2017, pela Star, conquistou a Taça Royal Thames e, neste domingo, o Europeu de Star

Laser
– Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
– Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
– Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
– Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012
Tags: Olimpíada Robert Scheidt Vela


NOSSO SITE O ESPORTE NACIONAL


Governo Bolsonaro

Padrinho de casamento de Flávio Bolsonaro será secretário de Esporte

Marcello Magalhães é o terceiro a assumir a pasta no atual governo



São Paulo

A chegada de Onyx Lorenzoni (DEM-RS) ao Ministério da Cidadania teve impacto direto na Secretaria Especial de Esporte, subordinada à pasta.
Onyx, anunciado no dia 13 de fevereiro no ministério, decidiu trocar o chefe da secretaria, o general Décio Brasil, por Marcello Magalhães, conhecido como Marcello Negão, e que tem laços estreitos com a família Bolsonaro, sobretudo com o senador Flávio (sem partido), de quem foi padrinho de casamento.
A informação da troca, inicialmente publicada pela coluna Radar, da revista Veja, foi confirmada pela Folha, mas ainda não teve sua publicação no Diário Oficial.
Onyx, à esquerda, e Bolsonaro, durante evento no Palácio do Planalto
Onyx, à esquerda, e Bolsonaro, durante evento no Palácio do Planalto - Adriano Machado - 12.fev.2020/Reuters
Com a mudança, a pasta vai para seu terceiro secretário no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Ele iniciou o mandato com outro general, Marco Aurélio Vieira.
Sem conseguir promover mudanças na pasta e sem se entender com o então ministro da Cidadania, Osmar Terra, Marco Aurélio acabou substituído por Décio Brasil, em abril de 2019.
No período em que esteve à frente da secretaria, ele teve que lidar com o fim da Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), que criou um vácuo na administração de complexos esportivos.
Criada em 2017 para "viabilizar a adequação, a manutenção e a utilização das instalações esportivas olímpicas e paraolímpicas” construídas para a Rio-2016, a autarquia foi extinta no fim de julho, como previa o texto de sua lei.
Dentre suas competências estava gerir parte do Parque Olímpico da Barra da Tijuca, em parceria com a Prefeitura do Rio e entidades privadas, e do Parque Olímpico de Deodoro, este em conjunto com as Forças Armadas.
Entre algumas das intenções não concretizadas pela AGLO estava viabilizar a privatização das estruturas da Barra que estavam sob o guarda-chuva do governo federal: Arena Carioca 1, Arena Carioca 2, Complexo Olímpico de Tênis e Velódromo Olímpico.
Após a extinção, suas atribuições foram incorporadas pelo ministério, porém em uma nova entidade. A criação da EGLO (Escritório de Governança do Legado Olímpico) só foi publicada no Diário Oficial em dezembro de 2019. Marcello Negão, inclusive, era cotado para assumir o órgão.
A sua chegada ao cargo de secretário pode acirrar a disputa entre militares e não militares dentro da Secretaria do Esporte, queda de braço que foi um dos motivos que derrubaram Marco Aurélio de seu cargo.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

NOSSO SITE COM A PRÉ-COBERTURA DE TOKYO 2020


COB realizará Olympic Fest Time Brasil com atividades para o público brasileiro durante os Jogos Olímpicos Tóquio 2020

São Paulo terá espaço com atrações variadas, celebração de conquistas e presença de atletas
O Comitê Olímpico do Brasil (COB) decidiu priorizar atividades em território nacional para levar o espírito olímpico e o clima dos Jogos Tóquio 2020 aos torcedores. Em reunião realizada nesta quarta-feira, dia 19, em Brasília, a diretoria da entidade propôs ao Conselho de Administração a organização do Olympic Fest Time Brasil, em São Paulo, nos finais de semana dos Jogos.

O festival vai oferecer ao público atrações variadas, misturando esporte e entretenimento, para fortalecer a torcida pelos atletas. Estão previstas a transmissão dos Jogos, diversas experimentações esportivas e a presença da mascote Ginga. O local será ainda um espaço de celebração das conquistas brasileiras, já que os medalhistas olímpicos passarão por lá assim que voltarem dos Jogos, comemorando suas vitórias junto aos fãs.

CASA BRASIL -- Devido à incerteza trazida pela variação do dólar e ao alto custo do Japão, embora já tivesse captado cerca de 40% do valor estimado para a organização do espaço, o COB decidiu pela não realização da Casa Brasil em Tóquio durante os Jogos, o que também foi aprovado pelo Conselho de Administração.

“Entendemos que será mais efetivo atuar de forma pontual com os stakeholders no Japão e se utilizar da plataforma digital para o fortalecimento da marca, dois dos papéis atribuídos inicialmente à Casa”, disse o diretor geral do COB, Rogério Sampaio.

Os objetivos da Casa Brasil, que agora serão trabalhados através do Olympic Fest e de outras ações, seriam: fortalecer a marca do COB; dar visibilidade e ativação às marcas parceiras; engajar o público; e celebrar as conquistas do Time Brasil.

As marcas parceiras do COB serão convidadas a participar do festival. “Entendemos que conseguiremos atingir todos os objetivos propostos com o Olympic Fest e com outras ações que estamos prevendo para as nossas bases no Japão como forma de marcar a presença do COB durante os Jogos Olímpicos Tóquio 2020”, completou Rogério Sampaio, campeão olímpico de judô em Barcelona 1992.

Além do Olympic Fest, o COB convocará a torcida para apoiar os atletas brasileiros por meio de ações online e presenciais, como o Festival Time Brasil, em Brasília, no mês de abril, e atividades com as madrinhas Claudia Leitte e Sabrina Sato.

Sobre o COB:

Ao longo de seus 105 anos de existência (fundado em 8 de junho de 1914), o COB já levou o Brasil à conquista de 129 medalhas (30 de ouro, 36 de prata, 63 de bronze) em Jogos Olímpicos e 37 medalhas em Jogos Olímpicos da Juventude (11 de ouro, 15 de prata e 11 de bronze.

Comunicação
Daniel Varsano / Valter França / Claudia Fernandes / Alexandre Massi
Tels: 21-2494.2085 - imprensa@cob.org.br
http://www.cob.org.br / http://www.timebrasil.org.br / instagram.com/timebrasil / twitter.com/timebrasil / http://www.facebook.com/timebrasil / youtube.com/ timebrasil
NOTA DO EDITOR  QUILISPORT já se manifestou em várias redes sociais a respeito da negativa do COBna instalação da CASA BRASIL em TOKYO. Destacamos que a CASA sempre foi um apoio aos brasileiros que vão aos JOGOS OLIMPICOS e que isso vinha sendo oferecido há muitos anos e que a justiticativa de gastos. É questão de ser muito caro é questão de planejamento, pois disseram que já havia 40% do valot captado. Nos anos anteriroes tinha a participaçaõ do GOVERNO FEDERAL e patrocinadores. Só agora quase 4 meses para a OLIMPIADA decidiram. Kátia RUBIO escreveu em seu blog na FOLHA, " QUE A CASA CAIU". Agora o COB anuncia uma FAN FEST estilo COPA DO MUNDO DE FUTEBOL em SÃO PAULO e lá onde os brasileiros se deslcoam de seus estados e querem estar junto ao TIME BRASIL, o que farão?  (CLERY - EDITOR)

SITE NA ELEIÇÃO DO COB 2020


O JOGO ESTÁ ABERTO: COB TERÁ MAIS DE UM CANDIDATO NA ELEIÇÃO DE 2020

      A partir de agora. QUILISPORT coloca no site SAUDE PELA PRÁTICA e declara que estará publicando o que é possível e abre espaços , para ambos futuros candidatos e veicula essa matéria do Globo, do MARTIN FERNANDEZ.
Assim como intensifica a PRÉ - COBERTURA DOS JOGOS OLIMPICOS DE TOKYO, que começou tão logo do encerramento da RIO 2016 e inclusive o EDITOR  esteve no Japão/ TOKYO, 3 anos antes - agosto de 2017 e 1 ano antes - agosto de 2019 e viaja dia 18 de julho para a OLIMPIADA.
( CLERY - EDITOR)

Clery , Profissional de Educação Física e Jornalista, realiza cobertura de JOGOS OLIMPICOS, desde 1992 - Barcelona, Diretor de QUILISPORT e Editor do SITE.




Por Martín Fernandez — São Paulo








Tudo indica que, pela primeira vez em mais de 40 anos, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) vai ter uma eleição para presidente com mais de um candidato. Ainda sem data marcada – mas certamente nos últimos meses de 2020 –, a disputa tem pelo menos três pré-candidatos: Paulo Wanderley Teixeira, atual presidente do COB, Alberto Murray Neto, ex-presidente do Conselho de Ética, e Sami Arap, ex-presidente da Confederação Brasileira de Rugby.
A última eleição com mais de um candidato ocorreu em 1979, quando o avô de Alberto Murray Neto, Sylvio de Magalhães Padilha, derrotou o então presidente da Confederação Brasileira de Vôlei, Carlos Arthur Nuzman.
Desde então, o COB foi comandado pelo próprio Padilha até 1990, depois por André Richer até 1995 e finalmente por Nuzman entre 1995 e 2017, quando renunciou, acossado por denúncias de corrupção. Seu vice, Paulo Wanderley, assumiu o que restava do mandato. Sua gestão também teve denúncias de corrupção.
COB sede Rio de Janeiro — Foto: Reuters COB sede Rio de Janeiro — Foto: Reuters COB sede Rio de Janeiro — Foto: Reuters
O colégio eleitoral do COB é formado pelas 35 confederações de esportes olímpicos, os 12 integrantes da Comissão de Atletas e mais os dois representantes do Brasil no Comitê Olímpico Internacional, que são o ex-jogador de vôlei Bernard Rajzman e o atual presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Andrew Parsons.
Em entrevista por e-mail ao GloboEsporte.com, Paulo Wanderley não garantiu, mas deu pistas de que será candidato no fim do ano.
– Essa decisão será tomada e anunciada apenas após os Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Acredito que este não seja o momento mais adequado para abordarmos o tema.
Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB — Foto: Ricardo Bufolin/Panamerica Press Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB — Foto: Ricardo Bufolin/Panamerica Press 
Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB — Foto: Ricardo Bufolin/Panamerica Press
Ex-presidente da Confederação Brasileira de Judô (durante 16 anos), Paulo Wanderley promoveu uma reforma de estatuto que aumentou a participação dos atletas no colégio eleitoral (de um para 12) e facilitou o processo de candidaturas – antes era preciso ser membro da Assembleia do COB por pelo menos cinco anos, receber dez apoios formais e inscrever a chapa com oito meses de antecedência.
Essas exigências caíram. Hoje basta ter mais de 18 anos, não ter sido expulso de COI, COB ou federações esportivas – e nem estar empregado por elas. É preciso ainda ter o apoio formal de três dos 49 integrantes do colégio eleitoral. Na CBF, por exemplo, é preciso o apoio de cinco (dos 40) clubes e mais oito (das 27) federações estaduais de futebol.
– É claro que espero mais candidatos. Buscávamos justamente maior participação da comunidade esportiva. Uma disputa democrática é fruto desse trabalho. A presença de mais candidatos só contribui para o desenvolvimento do esporte – diz Paulo Wanderley.
Mas o dirigente também aprovou uma mudança no estatuto que teve a si próprio como beneficiário. Quem quiser se candidatar à presidência precisa se afastar dos cargos que ocupa no COB 120 dias antes da eleição. Isso só não vale para o presidente.
Alberto Murray Neto — Foto: Vicente Seda Alberto Murray Neto — Foto: Vicente Seda 
Alberto Murray Neto — Foto: Vicente Seda
Também foi por causa dessa regra que Alberto Murray Neto deixou o Conselho de Ética da entidade, do qual era presidente. Agora desvinculado do COB, pode se candidatar a presidente. Advogado, neto do ex-presidente Sylvio de Magalhães Padilha, Murray foi provavelmente o maior crítico das administrações de Carlos Arthur Nuzman. E também é da gestão de Paulo Wanderley, a quem se refere como "vice de Nuzman".
Ex-árbitro do Tribunal Arbitral do Esporte (última instância da justiça desportiva), Murray fez circular na semana passada um documento com uma espécie de "plano de governo" para o esporte olímpico brasileiro, que tem uma linha principal: descentralizar as ações (e os recursos) do COB e dar mais autonomia para atletas e co
O terceiro pré-candidato é Sami Arap, ex-presidente da Confederação Brasileira de Rúgbi e sucessor de Murray na presidência do Conselho de Ética do COB. Numa mensagem enviada ao GloboEsporte.com, ele declarou que só vai confirmar sua candidatura "após tomar conhecimento das demonstrações financeiras" relativas ao ano 2019.
Sami Arap — Foto: Divulgação Sami Arap — Foto: DivulgaçãoSami Arap — Foto: Divulgação



– É fundamental entender os ativos e passivos da entidade, avaliar riscos patrimoniais etc – declarou Arap, que, assim como Murray, é advogado.
No início do mês, o jornalista Juca Kfouri revelou, em seu blog no portal Uol, que o COB convidou Arap para viajar aos Jogos Olímpicos de Tóquio com todas as despesas pagas. Paulo Wanderley confirmou o convite.
– Convidamos o órgão [o Conselho de Ética] para que estivesse presente nos Jogos Olímpicos. Decidimos em conjunto que estes serão representados pelo presidente e o vice-presidente do órgão, assim como o faremos com a Comissão de Atletas.
Sami Arap declarou que a viagem "observa política interna do COB há décadas" e que, caso sua agenda profissional permita, "será uma honra representar o Conselho de Ética do COB em Tóquio, além de trocar experiências com colegas de outros países que integram órgãos similares".

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

QUILISPORT E A PRÉ-COBERTURA OLIMPICA



Jogos e Operações Internacionais: Preparação para Tóquio 2020
Artigo de Joyce Ardies, gerente de Jogos e Operações Internacionais

 

Estamos às vésperas do momento mais aguardado do ciclo olímpico. Foram 6 anos de planejamento e parceria entre o Comitê Olímpico do Brasil (COB) e as Confederações Brasileiras Olímpicas, mas ainda há muito trabalho a ser feito.
A participação nas Missões é uma oportunidade do Time Brasil apresentar seu progresso no âmbito esportivo para todo o mundo, reforçando a busca pela excelência esportiva, além de mostrar seu comprometimento com os Valores Olímpicos.
Portanto, as Missões são projetos de grande relevância para o COB, que investe na preparação dos atletas, no planejamento e na execução da logística para participação dos integrantes Brasileiros.
Desde a saída do Brasil até a chegada ao local para uma possível aclimatação e início das competições, o COB atua visando proporcionar uma excelente estrutura de apoio, permitindo a seus atletas total concentração nos treinos e em suas performances.
Os Jogos Olímpicos exigem um nível de serviço de excelência, com apoio específico às modalidades, levando em consideração as particularidades de cada uma delas. Para tanto, a área de Jogos e Operações Internacionais se dedica ao planejamento da operações, desde suas definições estratégicas, escopo dos serviços, pesquisas de instalações em cada país, engajamento das áreas envolvidas, até a execução da logística de credenciamento, transporte aéreo e terrestre, serviços de aeroporto, contratações de hospedagem e instalações esportivas, alimentação, hidratação, infraestrutura e transporte de equipamentos esportivos e materiais via containers.
Devido a complexidade de adaptação a um fuso de 12 horas e uma cultura distante da nossa no Japão, o COB identificou cidades que oferecessem uma acomodação adequada próxima a instalações esportivas de alto rendimento e que pudessem nos proporcionar as melhores condições para aclimatação e preparação para os Jogos Olímpicos em Tóquio. Como cada modalidade tem a sua especificidade, não foi possível aglomerá-las somente em um ou duas instalações. Considerando também as distancias de deslocamento, que deveriam ser as menores possíveis, dividimos mais de 20 modalidades em 9 Bases do Time Brasil. Obviamente a complexidade da operação, quando atendemos a diversas bases aumenta, mas acreditamos que essa é sem dúvida a melhor solução para as delegações envolvidas. 
Uma vez firmado contratos com as cidades parceiras para utilização das instalações, o departamento de Jogos e Operações Internacionais, passou a executar uma serie de testes operacionais, que foram fundamentais para identificar ajustes nos serviços que seriam oferecidos, como também potencializar o processo de aprendizado quando interagindo com os fornecedores Japoneses. Entre 2018 e 20129, o COB atuou 216 dias no país sede, levou cerca de 350 pessoas, com 198 atletas para apresentar às delegações o que será oferecido durante os Jogos e para testar as operações locais. A alimentação brasileira, com 8.202 refeições que garantiram o nosso arroz e feijão, foi um dos serviços oferecidos, além da hospedagem, lavanderia, transporte terrestre, aéreo e logicamente, infraestrutura de treinamento de alta qualidade.
Nos últimos anos, foram transportados no total 09 embarcações da modalidade Vela (botes e barcos) e 05 containers com materiais e equipamentos esportivos e neste ano estamos nos preparando para enviar mais 5 containers com materiais consumíveis, aparelhos de força, botes, e pisos, além dos 4 que receberemos diretamente da China, no Japão, com as 40 mil peças de uniformes esportivos.  
É possível observar a grande dimensão e complexidade para a organização dos Jogos Olímpicos, que já se inicia bem antes do evento, por isso, a grande importância de realizar um planejamento antecipado e investir na preparação da operação através de testes e ajustes ao longo do caminho. Estamos quase lá!
Nos vemos em Tóquio!


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

NOSSO SITE EM PARCERIA COM A COBRAF



CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DOS TREINADORES E PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA- COBRAT-
CNPJ (MF) 26.305.710/0001-13
EDITAL 002/2020

EDITAL DE ASSEMBLEIA GERAL DE APOIO A EMANCIPAÇÃO/CRIAÇÃO DO CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FISICA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO - CREF/ES


 O Presidente da Confederação Brasileira de Treinadores - COBRAT, nos termos do artigo 40 do Estatuto Social da entidade, EXPEDE o presente para CONVIDAR todos os PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO FÍSICA do Estado do Espirito Santo a se reunirem em Assembleia Geral para deliberarem a seguinte ORDEM DO DIA:
A – EMANCIPAÇÃO ou NÃO, do CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FISICA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO CREF/ES.


B – INDICAÇÃO OU NÃO dos nomes dos PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FISICA para estarem à frente dos procedimentos ulteriores as decisões da Assembleia.


DATA 14 DE MARÇO DE 2020
HORARIO 13h00 em primeira chamada ou as 14h00 em segunda chamada onde será deliberado com quaisquer números de presentes.

 LOCAL: FEDERAÇÃO ESPIRITOSANTENSE DE ESPORTES PARA CEGOS – FESCE - sito a Av. Princesa Isabel, 574, sl 402, Bl. A – Edifício Palas Center, Centro Vitoria Espirito Santo – CEP 29010-360.

 CURITIBA, 20 DE FEVEREIRO DE 2020


Prof. ALEXANDRE CEZAR
CREF9/PR 25535-GPR
Presidente